“A TAP pode sobreviver com mil milhões, não precisa de três mil milhões”, diz O’Leary (com áudio)

“Achamos que a TAP acabará por conseguir ter o auxílio estatal aprovados, mas pensamos que talvez de mil milhões e não de três milhões, o que será uma coisa boa para Portugal, pois impedirá o ministro [Pedro Nuno] Santos de desperdiçar dois mil milhões do vosso dinheiro numa sanita como a TAP”, disse o CEO da Ryanair.

Cristina Bernardo

A Ryanair está confiante que irá ganhar os processos que interpôs em Bruxelas contra as ajudas estatais para as companhias aéreas nacionais, mas acredita que estas acabarão por receber os apoios, embora deverão ser menores do que inicialmente previstos e com condições mais duras, afirmou esta quarta o CEO da empresa, Michael O’Leary, adiantando que no caso da TAP, um auxílio de mil milhões de euros deverá chegar para a companhia portuguesa sobreviver.

A 19 de maio deste ano, o Tribunal Geral da União Europeia anulou a decisão da Comissão Europeia que deu ‘luz verde’ para o Estado português emprestar 1.200 milhões de euros à TAP. A queixa foi apresentada pela Ryanair em agosto de 2020 depois de a Comissão Europeia ter aprovado em junho de 2020 o empréstimo pelo Estado português à companhia aérea.

“Já ganhamos quatro dos nossos processos judiciais na Europa contra alocações de ajuda estatal”, lembrou O’Leary, em conferência de imprensa, adiantando que, em última análise, muitos dos auxílios estatais serão pagos.

“A TAP vai à falência sem algum elemento de auxílio estatal. Achamos que a TAP pode sobreviver com mil milhões de euros, não há justificação para três mil milhões”, sublinhou.

Segundo o CEO da Ryanair o que provavelmente irá acontecerá é que os casos terão sucesso no curto prazo, mas no médio e longo prazo, montantes menores de auxílio ainda serão pagos a essas companhias aéreas e essas elas serão obrigadas a alienar alguns dos outros investimentos, como por exemplo em empresas de handling ou de manutenção, de onde advêem grande parte dos prejuízos.

“Achamos que a TAP acabará por conseguir ter o auxílio estatal aprovados, mas pensamos que talvez de mil milhões e não de três milhões, o que será uma coisa boa para Portugal, pois impedirá o ministro [Pedro Nuno] Santos de desperdiçar dois mil milhões do vosso dinheiro numa sanita como a TAP”, concluiu.

Relacionadas

“Acusações de Pedro Nuno Santos são falsas e injustas”, diz o CEO da Ryanair

O CEO da Ryanair reiterou que o Governo português vai “desperdiçar” três mil milhões de euro no apoio estatal à TAP, rejeitando que seja um investimento. Na apresentação aos jornalistas, Michael O’Leary chamou Pedro Nuno Santos de Pinóquio, apresentando até uma imagem manipulada do ministro para esse efeito.

Ryanair. “Não gosto de deixar ofensas ao Estado português sem resposta”, afirma Pedro Nuno Santos

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, justificou hoje a reação às críticas da Ryanair sobre a ajuda estatal à TAP com o facto de não gostar de “deixar ofensas ao Estado português e ao Governo sem resposta”.

Respostas rápidas: Porque é que o Tribunal Europeu anulou o empréstimo de 1.200 milhões à TAP?

Porque é que a queixa foi apresentada? A TAP vai ter de devolver já o dinheiro? Quanto tempo Bruxelas tem para reagir? O que disseram os responsáveis políticos e das empresas?
Recomendadas

Comissão de inquérito responsabiliza Governo na venda à Lone Star

Os deputados da comissão de inquérito ao Novo Banco aprovaram hoje várias alterações ao relatório que passam a responsabilizar também o Governo socialista na decisão de venda à Lone Star, apesar dos votos contra do PS.

MDS é o único grupo ibérico no top 250 mundial das empresas de corretagem de seguros

A multinacional liderada por José Manuel Dias da Fonseca ocupa a 141ª posição no ranking mundial referente a 2020, com uma receita estimada em 79,4 milhões de dólares, refletindo o desempenho nos vários mercados onde está presente a nível global.

Aprovada pelo PS, PCP e BE conclusão no relatório da CPI que diz que Resolução do BES foi “Fraude Política”

Porém, foi aprovada uma proposta do PSD que recorre a uma citação do antigo vice-governador do Banco de Portugal (BdP) Pedro Duarte Neves na comissão de inquérito dizendo que havia regras de “usar o mínimo dos fundos públicos que sejam precisos”.
Comentários