A um Bruno Conhecido…

Ao contrário do que diz Sobrinho, Carvalho não é um mero assalariado. É o responsável, pelo menos moral, pelo que se passa no Sporting e foi, com os sucessivos discursos de ódio, o instigador do atual estado do clube.

(Única sportinguista de quatro irmãos, mesmo após anos de silêncio envergonhado e imposto por mim mesma para não prejudicar terceiros, nunca me imaginei a escrever sobre o meu clube nestes termos. Quando me perguntavam porque sou do Sporting a minha resposta foi sempre a mesma: era o clube onde os fins não justificavam os meios e isso bastava-me. Até agora. Entre os designados “croquetes” e esta turba que invadiu o clube, embora legitimada por eleições, estou com os seus atletas e os verdadeiros adeptos do Sporting. Sempre. E, por pior que tenha corrido a Taça, deixo aqui o meu agradecimento aos que jogaram e aos que permitiram que jogassem, não obstante tudo. Obrigada.)

Procurando ser positiva, a única coisa boa que vislumbro no actual estado do Sporting é o desaparecimento do pequenino homem que diz ser seu Director de Comunicação e que nunca esteve à altura do seu cargo.

As últimas semanas ficarão para sempre na memória, quer pela brutalidade do ataque ao que é o principal activo do Clube, quer ainda pelo facto de um director, cuja carreira até ali chegar é desconhecida, ser suspeito nos termos em que o é, quer por último pelas lastimáveis cenas do Presidente. Uma alma que afirma que um ataque, cujos contornos são no mínimo estranhos, “foi chato” e que temos de estar habituados a conviver com o crime é alguém que nunca deveria ter chegado, sequer a sócio, quanto mais a Presidente do Sporting. Por seu turno, um Presidente de Mesa que diz uma coisa e o seu oposto num espaço de minutos é, também, alguém cuja credibilidade, num momento em que a mesma é especialmente precisa, se perdeu há muito.

A crise no Sporting é profunda e não se resolve com operações de cosmética, como as que se têm sucedido a um ritmo alucinante. É certo que Carvalho foi legitimado quando tudo indicava que não o deveria ter sido, não sem antes ter promovido a sua própria mulher. Também parece certo que alguns elogiam a gestão que fez no seu primeiro mandato, sendo que, a este título, não deixo de realçar que alguns dos despedidos por si foram substituídos pelas pessoas que temos visto ultimamente nas notícias.

Contudo, e ainda que a dita gestão do primeiro mandato fosse tão espectacular quanto dizem, o espectáculo degradante a que temos assistido não apenas justifica como impõe a demissão de Bruno de Carvalho. E para ontem porque hoje é, já, tarde demais. Ao contrário do que diz Sobrinho, Carvalho não é um mero assalariado (e, menos ainda, ao seu – dele, Sobrinho – serviço), sendo, ao invés, o responsável, pelo menos moral, pelo que se passa no Sporting e foi, com os sucessivos discursos de ódio, o instigador do actual estado do clube que lhe paga principescamente. Basta.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

A Administração Interna

A equipa do MAI é experiente e competente. Distingo, porque nem sempre experiência significa competência. É, também, uma equipa difícil de gerir atendendo às ambições e egos de alguns dos seus integrantes. Grande parte dos erros cometidos são, também, da equipa ou de parte dela.

Uma sentença na China, mas um setor com potencial

Se as grandes empresas, i.e. os empregadores mais exigentes, começam a dispensar os típicos cursos superiores e a favorecer cursos profissionais mais rápidos e práticos, porque não hão de outras empresas começar a fazer o mesmo?

Aula de formatação das consciências

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento suscita divisão entre aqueles que aprovam um guião escolar das consciências e aqueles que reconhecem o carácter discutível e ideológico de alguns dos seus conteúdos.
Comentários