A vergonha da mobilidade: “Porque não te calas?”

Por mais que se queira, no day after, minimizar o teor das declarações da semana da Páscoa, sobre as mudanças a ocorrer no subsídio de mobilidade, as intenções ficaram bem claras.

É flagrante o descomunal desenraizamento social do vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, relativamente a aspetos que envolvem a função social do Estado, leia-se, também, da Região.

Por mais que se queira, no day after, minimizar o teor das declarações da semana da Páscoa, sobre as mudanças a ocorrer no subsídio de mobilidade, as intenções ficaram bem claras.

O presidente Miguel Albuquerque veio, a terreno, tentar corrigir a “venda por meio pataco” de um direito e de um princípio Constitucional. Todavia, o povo sabe ler nas linhas e nas entrelinhas, e para bom entendedor nem com o “exército de assessorias” o governo se livra de mostrar, a nu, a sua espontânea visão neoliberal da realidade social.

Vejamos. Quando a informação é veiculada, e triada, pelas assessorias de comunicação, vai tratada a preceito e ao gosto do freguês. Quando a informação é comunicada diretamente, em entrevista, sai ao gosto do emissor. Fica, assim, bem vincada a corrente neoliberal do emissor.

Segundo a entrevista do vice-presidente, no final de março, percebe-se que a Continuidade Territorial terá dia e hora para constitucionalmente vigorar. Leia-se um extrato da entrevista ao JM, onde se denota claramente as condicionantes que o governante coloca quanto a esse direito: “Quando se fala que o Estado não pode continuar a suportar este tipo de custos, é porque uma coisa é o Princípio da Continuidade Territorial, outra coisa é saber se o Princípio da Continuidade Territorial engloba viajar todas as semanas entre a Madeira e o continente.”

Mais adiante, remata e continua a teoria de secundarizar o valor da função social do Estado: “o erário público é que tem de estar condicionado”.

Mas, ocorre-me uma pergunta final: porque razão o vice-presidente considera impraticável os 34 milhões de apoio do Estado à mobilidade madeirense e silencia os 32 milhões transferidos recentemente do orçamento regional para as sociedades falidas?

Recomendadas

Máquinas de venda automática de alimentos no ensino superior com pouca opção saudável, alerta DECO

Os doces (guloseimas, bolachas, bolos e chocolates) estão presentes em todas as máquinas, os snacks salgados em 61%, enquanto as sandes mais saudáveis apenas estão presentes em 31%, os iogurtes sem adição de açúcar em 8% e a fruta fresca em 3%.

Taxa do crédito à habitação desce pela primeira vez em sete meses na Madeira

Em descida face ao mês anterior esteve o capital em dívida, a prestação total e o capital amortizado.

Madeira: Pedro Santana Lopes quer Aliança a contribuir para estabilidade política caso não haja maioria absoluta

Numa ação política no Funchal, o presidente da Aliança, disse que o princípio da continuidade territorial dever ser uma preocupação de qualquer patriota, e criticou o Estado por não cumprir com o princípio da continuidade territorial na ligação marítima entre a Madeira e o Continente.
Comentários