Abanca fecha acordo para comprar mais de 75% do EuroBic

O Abanca está disponível para comprar a totalidade do capital do banco controlado por Isabel dos Santos e o negócio será fechado durante este fim de semana, apurou o Jornal Económico.

Está tudo preparado para os acionistas do EuroBic fecharem durante este fim de semana um acordo com o Abanca para a venda do banco liderado por Fernando Teixeira dos Santos, apurou o Jornal Económico. Confirma-se, assim, a notícia avançada pelo jornal online “Eco” este sábado, de que a venda do EuroBic ao Abanca estaria por horas.

O Jornal Económico sabe também que o Abanca admite comprar 100% do EuroBic, estando assim em cima da mesa a compra da totalidade do banco no acordo que está prestes a ser assinado.

Recorde-se que o Abanca Corporación Bancaria admitiu aos jornalistas portugueses em Espanha que está a estudar a compra do EuroBic em Portugal, mas não comprará menos de 75% do banco detido por Isabel dos Santos e Fernando Teles.

Isabel dos Santos tem 42,5% do EuroBic através da Santoro Financial Holding SGPS (que detém 25%), com sede em Portugal, e da Finisantoro Holding Limited, que tem 17,5%, com sede em Malta. Mas o outro acionista, o luso-angolano Fernando Teles, que controla 37,5%, também vai vender, tal como avançado em primeira mão pelo Jornal Económico.

Há ainda outros acionistas no EuroBic: Luís Cortez dos Santos, Manuel Pinheiro Fernandes e Sebastião Bastos Lavrador têm, cada um, 5%, havendo ainda outros 5% nas mãos de outros investidores. Estes acionistas deverão também vender a sua posição ao Abanca, segundo fontes conhecedoras do processo.

O Jornal Económico sabe que chegou a haver outras manifestações de interesse no EuroBic mas nenhum dos interessados avançou com propostas concretas, exceto o Abanca.

O Bankinter e o BNP Paribas não avançaram, ao contrário dos rumores de mercado que os davam como interessados. O “Dinheiro Vivo” avançou com o interesse de um grupo chinês, mas também este não se materializou em qualquer proposta.

Um grupo de 20 empresários portugueses, “alguns com presença forte no Norte do país”, pôs em cima da mesa uma proposta pelo banco (detido em 42,5% por Isabel dos Santos e em 37,5%  por Fernando Teles), escreve o “Expresso” na sua edição deste sábado. O jornal adianta que um representante do grupo, José Fernando Figueiredo, teve encontros com o Banco de Portugal, um deles na passada sexta-feira, para falar da proposta”.

José Figueiredo é ex-presidente da Instituição Financeira de Fomento e o grupo de empresários inclui João Rafael Koehler, antigo presidente da ANJE (Associação Nacional de Jovens Empresários). O grupo assegurou ao “Expresso” que tem “capital disponível para o negócio”. Mas esta “proposta” não terá recebido entusiasmo do supervisor bancário, segundo fontes contactadas pelo Jornal Económico.

Neste momento o único interessado na corrida e em vias de fechar um acordo é o Abanca, liderado por Juan Carlos Escotet e Francisco Botas, confirmou o JE. Contactado, o EuroBic, cuja venda não conta com intermediários financeiros, não quis comentar.

O Abanca está presente em Portugal, onde reforçou a sua presença no ano passado quando adquiriu a rede de retalho do Deutsche Bank (por um valor nunca revelado). Em Espanha, o Abanca – que é um dos quatro grupos financeiros da marca venezuelana Banesco – fez também uma aquisição recente em Espanha, ao comprar o banco que a Caixa Geral de Depósitos tinha no país vizinho. Pagou 384 milhões de euros pelo Banca Caixa Geral.

Ainda antes de ser conhecido o processo do “Luanda Leaks” já Isabel dos Santos estava a tentar vender o EuroBic, sabe o JE. Mas a hecatombe de revelações que vieram a seguir tornaram essa tentativa numa venda formal, legitimada por comunicado oficial. O desenvolvimento do processo judicial em Angola e revelação dos 715 documentos do “Luanda Leaks” aceleraram o processo. Para ajudar à celeridade está o facto de Isabel dos Santos ter agora o supervisor bancário (Banco de Portugal/BCE) como “defensor” da venda o mais rápido possível.

Ler mais
Relacionadas

Isabel dos Santos: Governo vê com agrado venda de posições em empresas portuguesas

O ministro da Economia considera que a venda das participações detidas pela empresária angolana é um “bom passo” de forma a salvaguardar danos reputacionais a estas empresas.

Lucros do Abanca crescem 6,7% para 405 milhões em 2019

O Abanca, após quatro processos de integração, está preparado para fazer mais aquisições. A propósito do Eurobic, o chairman Juan Carlos Escotet disse que Portugal está entre as prioridades estratégicas da instituição, porque quer ser um banco ibérico.
Recomendadas

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

BPI alarga moratórias para famílias e empresas com carência de capital entre seis a doze meses

A partir de segunda-feira, os clientes que estejam em situação regular com o BPI poderão beneficiar do alargamento do regime da moratória publica junto do banco, que prevê dar carências de capital entre seis e doze meses.

Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.
Comentários