Abanca formaliza compra do Bankoa em Espanha. Volume de negócios cresce mais de quatro mil milhões de euros

O Abanca aumenta assim o volume de negócios que cresce mais de quatro mil milhões de euros para 93 mil milhões de euros e passa a ser a sexta instituição de crédito no mercado espanhol em termos de ativos.

O banco galego Abanca anunciou esta terça-feira a compra do negócio de retalho do Bankoa, um banco focado em empresas e gestão de património no País Basco, em Espanha, ao Crédit Agricole.

As negociações relativas ao negócio foram anunciadas em julho, sendo que o Abanca aumenta assim o volume de negócios. Em comunicado, o banco galego explica que o volume de negócios cresce em mais de quatro mil milhões de euros — 1.788 milhões de euros em crédito a clientes, 1.575 milhões de euros em depósitos e 1.011 milhões de euros em fundos fora do balanço — para 93 mil milhões de euros, consolidando a presença no mercado espanhol, passando a ser a sexta instituição financeira do sistema por ativos avaliados em 65 mil milhões de euros.

“Além de incorporar 30 escritórios e três agências empresariais, localizadas principalmente no País Basco, mas também em Navarra, La Rioja e Madrid, a sua aquisição representa para o Abanca um importante reforço em segmentos de negócio estratégicos, tais como empresas e gestão de patrimónios, e abre novas possibilidades de crescimento no financiamento de fundo maneio, negócios, consumo e seguros”, lê-se na nota.

O Bankoa tem mais de 40 mil clientes particulares e empresas.

Trata-se da quinta aquisição corporativa do Abanca desde 2014, ano em que foi criado. Com esta operação, o Abanca dá um passo em frente nos objetivos delineados no plano estratégico, reforçando a presença na costa cantábrica.

Logo em 2014, o banco galego integrou o Banco Etcheverría e, três anos depois, compra a Popular Servicios Financieros. Em 2018, adquiriu o negócio de particulares e de pequenas empresas do Deutsche Bank Portugal e o Banco Caixa Geral, que era o banco Espanha da Caixa Geral de Depósitos.

Em Portugal, o Abanca esteve na corrida à compra do EuroBic mas, em junho, desistiu da operação devido a uma divergência no preço final a pagar aos acionistas Isabel dos Santos e Fernando Teles, voltou a tentar fazer uma nova proposta de compra.

Juan Carlos Escotet disse, na última apresentação de resultados, a 3 de agosto, que desistiu definitivamente do EuroBic, “mas que continua muito atento e interessado em crescer em Portugal e atento a oportunidades”, pois Portugal é um mercado importante para o banco espanhol.

Ler mais
Relacionadas

Abanca negoceia compra do Bankoa ao Crédit Agricole

O Abanca diz que passará a ser o sétimo maior banco em Espanha depois de comprar o Bankoa, que é o negócio de retalho em Espanha do Crédit Agricole.

PremiumHaitong e BNP Paribas na corrida para a compra do Eurobic

Participações de Isabel dos Santos e de FernandoTeles também interessam a dois fundos de investimento. Nova administração do Eurobic será eleita na assembleia geral de 14 de setembro, com José Azevedo Pereira a substituir Teixeira dos Santos.

Abanca sem interesse no Eurobic. Banco espanhol diz que quer crescer através de aquisições em Portugal

Quando questionado sobre se manteria o interesse em retomar as negociações para a compra do EuroBic, o banqueiro espanhol afastou liminarmente esta possibilidade.
Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários