Abanca negoceia compra do Bankoa ao Crédit Agricole

O Abanca diz que passará a ser o sétimo maior banco em Espanha depois de comprar o Bankoa, que é o negócio de retalho em Espanha do Crédit Agricole.

O Abanca está a negociar a compra do Bankoa ao Crédit Agricole. Desta forma, o Abanca reforça a sua posição no País Basco e em Navarra, mercados onde o Bankoa, um banco industrial, tem uma forte presença e que pertence à instituição financeira de capitais franceses.

O Bankoa é o negócio bancário de retalho do Crédit Agricole em Espanha. O valor do negócio não foi detalhado pelo Abanca.

Em comunicado, o Abanca afirma que o acordo só produzirá efeitos depois de a respetiva due diligence ao Bankoa ficar concluída. “A operação ficará concluída com a aquisição do Bankoa e está sujeita às condições habituais neste tipo de operações”, diz a nota.

Ao adquirir o Bankoa, o Abanca vai aumentar o volume de negócio em mais de 4,3 mil milhões de euros para 93 mil milhões de euros e “consolida a sua posição como sétima maior entidade espanhola por valor de ativos (65 mil milhões de euros)”.

Fundado em 1975, o Bankoa tem um negócio focalizado nas pequenas e médias empresas, assim como na gestão de património. A base de clientes, que abrange particulares e empresas, supera os 40 mil. O volume de negócios ascende a 4.374 milhões de euros, tem uma carteira de crédito no valor de 1.788 milhões e os depósitos ascendem a 1.575 milhões de euros. O banco tem ainda 1.011 milhões de euros fora do balanço.

“A compra representa mais um passo no processo de crescimento do Abanca, depois da integração do Banco Caixa Geral em março deste ano e da rede do Deutsche Bank PCB Portugal em junho de 2019, e é complementar ao modelo e à estratégia do Abanca”, lê-se no comunicado.

O processo de integração far-se-á depois de obter as autorizações administrativas às quais o contrato de compra e venda está sujeito.

Ler mais
Relacionadas

PremiumAbanca baixou valor do EuroBic para 160 milhões de euros

Fernando Teles saiu das negociações quando o Abanca baixou o preço para cerca de 160 milhões e admite comprar parte dos 42,5% de Isabel dos Santos.

Isabel dos Santos diz que “opções estratégicas” do Abanca deitaram por terra a compra do EuroBic

A Santoro Finance e a Finisantoro, empresas através das quais Isabel dos Santos detém uma posição de 42,5% do EuroBic, referem que a venda de 95% do banco ao Abanco se deveu “opões estratégicas” da instituição financeira espanhola. A empresária angola mantém vontade de vender a posição.
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

PremiumBloco de Esquerda questiona Novo Banco no Eurobic

Bloquistas perguntam ao Ministério das Finanças sobre a operação e o seu impacto.

Leia aqui a primeira edição do Quem é quem no sector financeiro em Portugal em 2021

A primeira edição do Quem é Quem no Sector Financeiro em Portugal do JE inclui entrevista ao presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Fernando Faria de Oliveira, e as análises de Paulo Macedo, presidente da CGD, de Miguel Maya, presidente do BCP, de António Ramalho, presidente do Novo Banco, de Pedro Castro Almeida, presidente do Santander Totta, de João Pedro Oliveira e Costa, presidente do BPI, de Pedro Leitão, presidente do Montepio, Alberto Ramos, presidente do Bankinter Portugal e de Pedro Pimenta do Abanca Portugal.
Comentários