“Abertura da maioria de capital das SAD ainda é tabu em Portugal”

Na última edição do ‘Mercados em Ação’, o economista Luís Tavares Bravo analisou a OPA da Benfica SGPS à SAD do clube e considerou que a Liga portuguesa continua a distanciar-se dos grandes campeonatos europeus.

A OPA da Sport Lisboa e Benfica SGPS à SAD do clube representa, na opinião do economista Luís Tavares Bravo, um reforço da tendência que se regista em Portugal e que passa pelo facto dos clubes terem receio, aparentemente, de abrir a maioria de capital das SAD: “a única fonte de financiamento que ainda não foi testada e que ainda é um tabu em Portugal passa pela abertura da maioria de capital”. Luís Tavares Bravo realça que os negócios relacionados com a aquisição de capital de clubes de futebol “só se tornam interessantes quando existem maiorias”.

No programa ‘Mercados em Ação’, que será transmitido esta terça-feira a partir das 17h00, este economista analisa ainda que este processo representa “um claro distanciamento relativamente às ligas mais poderosas da Europa e no que diz respeito às fontes de financiamento dos clubes portugueses”.

A Sport Lisboa e Benfica SGPS lançou, esta segunda-feira, uma oferta pública e parcial de ações da SAD do clube, com uma contrapartida de 5 euros por ação para adquirir 28,06% que não detém.

“A oferta é parcial e voluntária e tem por objeto 6,455,434 ações nominais e escriturais de categoria B, que são ordinárias, no valor nominal de 5 euros, representativas de 28,0671% da Sociedade Visada”, segundo o comunicado divulgado no site da CMVM.

A contrapartida da oferta, tendo em conta o número de ações, corresponde a um valor total máximo da oferta de 32,28 milhões de euros.

Recomendadas

Mais de 50 jornalistas subscrevem abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

“Confrontados com o grave ataque público à integridade profissional da jornalista Maria Flor Pedroso, os jornalistas abaixo-assinados não podem deixar de tomar posição em sua defesa”, referem os 55 jornalistas que subscrevem o documento.

PremiumO Estado angolano, a empresa americana e o gestor português

A Aenergy, detida por um português, teve vários contratos cancelados pelo Executivo angolano por alegadas irregularidades. Oempresário diz que sempre cumpriu a lei e já recorreu das decisões.

Equipa da RTP retida e questionada na fronteira no regresso de Hong Kong

O caso levou a Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM) a apelar às autoridades de Macau para que “o livre exercício da profissão esteja assegurado na plenitude”.
Comentários