“Abertura da maioria de capital das SAD ainda é tabu em Portugal”

Na última edição do ‘Mercados em Ação’, o economista Luís Tavares Bravo analisou a OPA da Benfica SGPS à SAD do clube e considerou que a Liga portuguesa continua a distanciar-se dos grandes campeonatos europeus.

A OPA da Sport Lisboa e Benfica SGPS à SAD do clube representa, na opinião do economista Luís Tavares Bravo, um reforço da tendência que se regista em Portugal e que passa pelo facto dos clubes terem receio, aparentemente, de abrir a maioria de capital das SAD: “a única fonte de financiamento que ainda não foi testada e que ainda é um tabu em Portugal passa pela abertura da maioria de capital”. Luís Tavares Bravo realça que os negócios relacionados com a aquisição de capital de clubes de futebol “só se tornam interessantes quando existem maiorias”.

No programa ‘Mercados em Ação’, que será transmitido esta terça-feira a partir das 17h00, este economista analisa ainda que este processo representa “um claro distanciamento relativamente às ligas mais poderosas da Europa e no que diz respeito às fontes de financiamento dos clubes portugueses”.

A Sport Lisboa e Benfica SGPS lançou, esta segunda-feira, uma oferta pública e parcial de ações da SAD do clube, com uma contrapartida de 5 euros por ação para adquirir 28,06% que não detém.

“A oferta é parcial e voluntária e tem por objeto 6,455,434 ações nominais e escriturais de categoria B, que são ordinárias, no valor nominal de 5 euros, representativas de 28,0671% da Sociedade Visada”, segundo o comunicado divulgado no site da CMVM.

A contrapartida da oferta, tendo em conta o número de ações, corresponde a um valor total máximo da oferta de 32,28 milhões de euros.

Recomendadas

Quais as ‘ondas de choque’ das revelações dos ‘Luanda Leaks’?

Ficheiros divulgados no âmbito dos ‘Luanda Leaks’ detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano através de paraísos fiscais.

EDP Renováveis e Engie acordam ‘joint venture’ para projetos eólicos

“A EDPR Renováveis, S.A. (“EDPR”) anuncia a assinatura de um acordo, com a Engie, para a criação de uma joint-venture controlada em partes iguais (50/50) no segmento eólico offshore, fixo e flutuante”, revelou a EDPR ao regulador.

OPA do Benfica “não é comparável com operações anteriores”, revela a CMVM

Gabriela Figueiredo Dias, responsável máxima da CMVM, refere que esta operação tem uma “série de dimensões que são muito específicas que não é comparável em operações anterior, e é preciso obter toda a informação para que a decisão da CMVM seja robusta”.
Comentários