Acciona vai investir 150 milhões de euros para duplicar parque energético em Portugal

A empresa pretende, assim, responder ao aumento da procura das empresas portuguesas e continuar evoluir nas suas duas principais vertentes de negócio: comercialização e produção de energia elétrica.

A espanhola Acciona vai investir 150 milhões de euros na duplicação do seu parque energético em Portugal durante os próximos cinco anos, anunciou a empresa num comunicado enviado à redação esta terça-feira.

A empresa, que se apresenta como o “maior produtor mundial exclusivamente dedicado às energias renováveis”, diz que o investimento é necessário para responder à procura das empresas portuguesas, “cada vez mais comprometidas com a sustentabilidade e a redução da pegada de carbono de suas atividades”.

O reforço da capacidade de produção da Acciona em Portugal, até 2025, será concretizado com a implementação de centrais fotovoltaicas, maioritariamente.

Segundo o diretor-geral da divisão de Energia da Acciona em Portugal, Alexandre Kisslinger, o investimento anunciado trata-se da confirmação “que a estratégia de crescimento do negócio de Energia é uma realidade, independentemente da infeliz crise pandémica”.

Assim, será a empresa espera continuar a evoluir nas suas duas principais vertentes de negócio: comercialização e produção de energia elétrica.

Desde 2017, que a comercialização de energia limpa da Acciona cresce em média 30% ao ano em Portugal.

Recomendadas

TAP permite alteração de reservas sem custo associado

Flexibilidade não será válida nos casos em que já tenha havido falta de comparência ao voo.

Reforço de época natalícia. Telepizza vai contratar cerca de 750 funcionários

Quanto ao perfil pretendido pela Telepizza, a empresa descreve que quer “jovens entre os 18 e 30 anos, que procurem conciliar os seus estudos ou práticas universitárias com um emprego part-time”. Ter carta de condução também será um critério.

OMS pede aos fabricantes de vacinas contra a Covid-19 para ajustarem receita em função da nova variante

“É recomendável que os fabricantes de vacinas comecem já a planear com antecedência a probabilidade de ter que ajustar a vacina existente”, disse o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier.
Comentários