Acciona vai investir 150 milhões de euros para duplicar parque energético em Portugal

A empresa pretende, assim, responder ao aumento da procura das empresas portuguesas e continuar evoluir nas suas duas principais vertentes de negócio: comercialização e produção de energia elétrica.

A espanhola Acciona vai investir 150 milhões de euros na duplicação do seu parque energético em Portugal durante os próximos cinco anos, anunciou a empresa num comunicado enviado à redação esta terça-feira.

A empresa, que se apresenta como o “maior produtor mundial exclusivamente dedicado às energias renováveis”, diz que o investimento é necessário para responder à procura das empresas portuguesas, “cada vez mais comprometidas com a sustentabilidade e a redução da pegada de carbono de suas atividades”.

O reforço da capacidade de produção da Acciona em Portugal, até 2025, será concretizado com a implementação de centrais fotovoltaicas, maioritariamente.

Segundo o diretor-geral da divisão de Energia da Acciona em Portugal, Alexandre Kisslinger, o investimento anunciado trata-se da confirmação “que a estratégia de crescimento do negócio de Energia é uma realidade, independentemente da infeliz crise pandémica”.

Assim, será a empresa espera continuar a evoluir nas suas duas principais vertentes de negócio: comercialização e produção de energia elétrica.

Desde 2017, que a comercialização de energia limpa da Acciona cresce em média 30% ao ano em Portugal.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários