Ações da banca em Wall Street disparam com Fed a facilitar entrada em fundos de capital de risco

A alteração da Volker Rule, que também proíbia investimento em ‘hdege funds’ está a levar o Dow Jones US Banks Index a avançar 2,07%. Os títulos do JP Morgan sobem 2,50%, os do Goldman Sachs 3% e os do Morgan Stanley 2,7%.

A Reserva Federal (Fed) dos Estados Unidos anunciou esta quinta-feira que cinco reguladores financeiros finalizaram alterações à  Volcker Rule, nomeadamente à proibição às entidades bancárias de investirem ou patrocinarem hedge funds ou fundos de capital de risco, uma medida que fez disparar as ações de alguns dos principais bancos em Wall Street.

O Dow Jones US Banks Index avança 2,07%, com os títulos do JP Morgan a subirem 2,50%, os do Goldman Sachs a ganharem 3% e os do Mornga Stanley 2,7%.

A Fed explicou, em comunicado, que a regra Volcker geralmente proíbe as entidades bancárias de se envolverem em negociações proprietárias e de adquirir ou reter participações societárias, patrocinar ou ter certos relacionamentos com um hedge funds ou fundos de private equity.

Adiantou que “as alterações aprovadas ao simplificar a parte das regras sobre fundos cobertos, abordar o tratamento extraterritorial de certos fundos estrangeiros e ao permitir que entidades bancárias ofereçam serviços financeiros e participem em outras atividades que não suscitem preocupações que a regra Volcker pretendia abordar”.

A regra entrará em vigor a 1 de outubro, acrescentou.

Recomendadas

Até 31 de dezembro o fisco reembolsou aos bancos 254 milhões de euros em créditos tributários

Aí está o primeiro relatório com o histórico dos ativos por impostos diferidos atribuídos em 2014, ao abrigo do regime especial, e dos respetivos pedidos de conversão desses ativos em créditos tributários, abrindo caminho à entrada do Estado no capital. Foram efetuados 19 pedidos de créditos tributários por seis bancos (CGD, Novo Banco, Bison Bank, Efisa, Haitong e Banif), que totalizam 1.131 milhões.

Pedro Castro e Almeida diz que a criação do Banco Português de Fomento “é uma boa ideia”

O CEO do Santander referiu que existem exemplos de países onde o banco de fomento funciona “bem”. Numa conferência promovida pela Associação Cristã de Empresários e Gestores, apelou ainda à dinamização da economia através de capital e não de dívida, e disse, segundo os dados que tem à data, a situação económica do país futura não é alarmante.

Virgílio Lima: “Imparidades de hoje são fontes de valor no futuro”

A PwC avaliou o Banco Montepio pelo valor dos seus capitais próprios, ou seja, cerca de 1.500 milhões de euros, obrigando à constituindo imparidades. “Existem 1.049 milhões de euros em imparidades que são reversíveis, à medida que as empresas forem cumprindo os seus Planos de Negócio no futuro recuperando valor”, diz Virgílio Lima que apela de “fontes de valor no futuro”.
Comentários