Acordo político na União Europeia em torno de medidas para prevenir malparado

O Parlamento Europeu e o Conselho alcançaram esta terça-feira um acordo político em torno da proposta da Comissão Europeia para reduzir o crédito malparado na União Europeia, que obriga os bancos a disporem de reservas de fundos.

O Parlamento Europeu e o Conselho alcançaram esta terça-feira um acordo político em torno da proposta da Comissão Europeia para reduzir o crédito malparado na União Europeia, que obriga os bancos a disporem de reservas de fundos.

Esta medida faz parte de um conjunto de ações apresentadas pela Comissão em março de 2018 para resolver o problema do crédito malparado na UE e tem por base os esforços desenvolvidos pelos Estados-membros, as autoridades de supervisão e as instituições de crédito para diminuir de forma regular o número dos chamados “empréstimos de mau desempenho” em toda a União.

As medidas agora acordadas obrigarão os bancos à criação de reservas de fundos para cobrir os riscos associados aos empréstimos que possam vir a ter mau desempenho, evitando-se deste modo a acumulação de exposições de mau desempenho nos balanços dos bancos.

Além da medida hoje anunciada, o pacote apresentado pela Comissão em março passado contém propostas que visam desenvolver os mercados secundários de empréstimos de mau desempenho e permitir a rápida execução extrajudicial de empréstimos cobertos por garantias, bem como um plano técnico de criação de sociedades nacionais de gestão de ativos.

“O acordo de hoje garante que os bancos tenham menos crédito malparado nos seus balanços, tornando-os mais sólidos e permitindo que financiem as nossas empresas. Conto com o Parlamento Europeu e o Conselho para que cheguem rapidamente a acordo sobre as propostas que estão em cima da mesa, que visam desenvolver os mercados secundários de empréstimos de mau desempenho e facilitar a cobrança de dívidas”, comentou o vice-presidente da Comissão responsável pelos Serviços Financeiros e União dos Mercados de Capitais, Valdis Dombrovskis.

Relacionadas

Venda de carteiras de NPL acelera na Península Ibérica e aproxima-se dos 94 mil milhões

Esta é uma das principais conclusões reveladas pela Prime Yield no seu estudo «Investing in NPL in Iberia 2018: a two-way opportunity market”, que avalia o potencial do mercado ibérico de NPL.

Carlos Costa diz que 30 mil milhões de NPL significa que cerca de 20% do PIB foi mal alocado

Carlos Costa destacou na sua apresentação no Fórum Banca o problema do malparado e o seu peso na rentabilidade dos bancos e no crescimento da economia.

Bruxelas destaca redução de 24 mil milhões de euros de malparado em Portugal

A Comissão Europeia apelou esta quarta-feira a que o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu dêem ‘luz verde’ aos restantes 10 fundamentos para concluir a União dos Mercados de Capitais. Portugal mereceu aplausos em matéria de NPLs.
Recomendadas

JPMorgan reconhece “erro de cálculo” quanto à reação dos adeptos à Superliga

O banco norte-americano sofreu uma forte onda de críticas, à semelhança das restantes entidades envolvidas, garantindo que irá aprender com o erro de cálculo.

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.
Comentários