Acusação a Ricardo Salgado está parada devido a questões processuais

O processo em que o Banco de Portugal investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o “buraco” no Grupo Espírito Santo está “preso” porque ainda não foi levantado o sigilo profissional de um advogado. Ordem dos Advogados tem palavra decisiva.

Manuel de Almeida/Lusa

Dos quatro processos que o Banco de Portugal (BdP) abriu no chamado caso BES (Banco Espírito Santo) há um que está parado devido a questões processuais, noticia o “Público” esta quarta-feira, 26 de fevereiro. Em causa está o levantamento do sigilo profissional do advogado Rui Silveira, antigo administrador de Ricardo Salgado, antigo líder do BES, e testemunha chave neste processo.

Rui Silveira recusa-se a levantar o sigilo profissional e, por isso, a palavra decisiva caberá agora à Ordem dos Advogados. No processo em causa, o BdP investiga o papel de Ricardo Salgado na sociedade criada para financiar o grupo Espírito Santo.

Ricardo Salgado é o principal protagonista dos quatro processos que o BdP abriu no caso BES. Desses quatro, três respeitam a gestão danosa, branqueamento de capitais e movimentos de fundos para o BES Angola, e já produziram condenação por parte do regulador da banca – decisões contestada pelos visados em tribunal.

O quarto processo é o de maior sensibilidade, segundo o matutino, por envolver várias praças financeiras internacionais e por estar relacionado com o caso Eurofin.

Recomendadas

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

BPI alarga moratórias para famílias e empresas com carência de capital entre seis a doze meses

A partir de segunda-feira, os clientes que estejam em situação regular com o BPI poderão beneficiar do alargamento do regime da moratória publica junto do banco, que prevê dar carências de capital entre seis e doze meses.

Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.
Comentários