Adiamento do Brexit anima bolsas europeias e Lisboa não é exceção

A marcar o dia está ainda o facto de, esta noite, a agência de notação financeira norte-americana Standard & Poor’s (S&P) pronunciar-se sobre a dívida nacional.

José Manuel Ribeiro/Reuters

A bolsa portuguesa está a negociar em terreno positivo ao início da manhã desta sexta-feira, 15 de março, depois de os deputados britânicos terem dado o ‘sim’ ao adiamento do processo de saída do Reino Unido da União Europeia. O principal índice nacional está a valorizar 0,12%, para os 5.278,00 pontos. A beneficiar o PSI-20 está o contexto internacional europeu e o setor do retalho.

As multinacionais Sonae e Jerónimo Martins destacam-se no ‘verde’ com subidas de 0,42% e 2,17%, respetivamente.  As ações dos CTT  (+0,64%) e da EDP (+0,15%) também seguem com ganhos. Na edição de hoje, o Jornal Económico dá conta de que o governo dos Estados Unidos chumbará a OPA à energética liderada por António Mexia, o que não está a penalizar os seus títulos.

Por outro lado, o BCP (-0,40%), a Nos (-0,09%), a Pharol (-0,63%) e as papeleiras, como a Navigator (-0,05%) ou a Semapa (-0,26%) estão em contraciclo. A Altri é a cotada que mais desanima, ao cair 1,29%, para 7,65 euros, na sequência de o Banco BiG ter visto a empresa em baixa por causa do declínio do preço da celulose.

“Um dos destaques de hoje será o comportamento da Altri que ontem, em resposta aos resultados, valorizou-se 8.24%. Tecnicamente, o título depara-se com uma resistência na zona dos 8.20”, explicam os analistas do CaixaBank/BPI Research, na informação divulgada no mais recente «Diário de Bolsa».

A marcar o dia está ainda o facto de, esta noite, a agência de notação financeira norte-americana Standard & Poor’s (S&P) pronunciar-se sobre a dívida nacional. “De sublinhar que a decisão da S&P poderá não considerar apenas fatores intrínsecos a Portugal, mas ponderar igualmente variáveis externas como a recente desaceleração da economia europeia e mais alargadamente a mundial, o Brexit, as eleições para o Parlamento Europeu de maio, entre outros”, antevê o CaixaBank/BPI Research.

Nas restantes praças europeias, o sentimento é também otimista. O índice alemão DAX sobe 0,12%, o britânico FTSE 100 cresce 0,42%, o francês CAC 40 valoriza 0,31%, o holandês AEX avança 0,45%, o italiano FTSE MIB soma 0,11% e o espanhol IBEX 35 ganha 0,30%. O Euro Stoxx 50 está a ser marcado por uma valorização de 0,36%.

“As praças europeias arrancam em alta esta sexta-feira, prolongando assim os ganhos de ontem. Mesmo no Reino Unido há uma aparente tranquilidade após a aprovação de um pedido de adiamento do Brexit”, afirma Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, em research de mercado divulgado esta manhã.

Quanto à cotação do barril de Brent, sobe 0,36%, para 67,47 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce igualmente 0,36%, para 58,82 dólares por barril. No mercado cambial, nota para a apreciação de 0,21% do euro face ao dólar (1,1326) e para a desvalorização de 0,01% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,3239).

Ler mais
Recomendadas

Wall Street anima com notícias da Fed e fecha no verde

Hoje instituição liderada por Jerome Powell disse que a taxa de juro diretora vai continuar no intervalo entre 2,25% e 2,50%, após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira. O Dow subiu 0,15%.

Powell responde a Trump: “Tenho um mandato de quatro anos e pretendo cumpri-lo”

A guerra de palavras entre os presidentes da Fed e dos Estados Unidos não dá sinais de quebra. “A lei é clara”, disse Powell sobre o mandato, depois de Trump ter mostrado reticência quando questionado sobre um eventual plano para demitir o ‘chairman’ do banco central.

Fed mantém taxa inalterada, mas troca “paciente” por “agir de forma apropriada”

A ‘federal funds rate’ continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.
Comentários