Adiamento do Brexit anima bolsas europeias e Lisboa não é exceção

A marcar o dia está ainda o facto de, esta noite, a agência de notação financeira norte-americana Standard & Poor’s (S&P) pronunciar-se sobre a dívida nacional.

José Manuel Ribeiro/Reuters

A bolsa portuguesa está a negociar em terreno positivo ao início da manhã desta sexta-feira, 15 de março, depois de os deputados britânicos terem dado o ‘sim’ ao adiamento do processo de saída do Reino Unido da União Europeia. O principal índice nacional está a valorizar 0,12%, para os 5.278,00 pontos. A beneficiar o PSI-20 está o contexto internacional europeu e o setor do retalho.

As multinacionais Sonae e Jerónimo Martins destacam-se no ‘verde’ com subidas de 0,42% e 2,17%, respetivamente.  As ações dos CTT  (+0,64%) e da EDP (+0,15%) também seguem com ganhos. Na edição de hoje, o Jornal Económico dá conta de que o governo dos Estados Unidos chumbará a OPA à energética liderada por António Mexia, o que não está a penalizar os seus títulos.

Por outro lado, o BCP (-0,40%), a Nos (-0,09%), a Pharol (-0,63%) e as papeleiras, como a Navigator (-0,05%) ou a Semapa (-0,26%) estão em contraciclo. A Altri é a cotada que mais desanima, ao cair 1,29%, para 7,65 euros, na sequência de o Banco BiG ter visto a empresa em baixa por causa do declínio do preço da celulose.

“Um dos destaques de hoje será o comportamento da Altri que ontem, em resposta aos resultados, valorizou-se 8.24%. Tecnicamente, o título depara-se com uma resistência na zona dos 8.20”, explicam os analistas do CaixaBank/BPI Research, na informação divulgada no mais recente «Diário de Bolsa».

A marcar o dia está ainda o facto de, esta noite, a agência de notação financeira norte-americana Standard & Poor’s (S&P) pronunciar-se sobre a dívida nacional. “De sublinhar que a decisão da S&P poderá não considerar apenas fatores intrínsecos a Portugal, mas ponderar igualmente variáveis externas como a recente desaceleração da economia europeia e mais alargadamente a mundial, o Brexit, as eleições para o Parlamento Europeu de maio, entre outros”, antevê o CaixaBank/BPI Research.

Nas restantes praças europeias, o sentimento é também otimista. O índice alemão DAX sobe 0,12%, o britânico FTSE 100 cresce 0,42%, o francês CAC 40 valoriza 0,31%, o holandês AEX avança 0,45%, o italiano FTSE MIB soma 0,11% e o espanhol IBEX 35 ganha 0,30%. O Euro Stoxx 50 está a ser marcado por uma valorização de 0,36%.

“As praças europeias arrancam em alta esta sexta-feira, prolongando assim os ganhos de ontem. Mesmo no Reino Unido há uma aparente tranquilidade após a aprovação de um pedido de adiamento do Brexit”, afirma Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, em research de mercado divulgado esta manhã.

Quanto à cotação do barril de Brent, sobe 0,36%, para 67,47 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce igualmente 0,36%, para 58,82 dólares por barril. No mercado cambial, nota para a apreciação de 0,21% do euro face ao dólar (1,1326) e para a desvalorização de 0,01% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,3239).

Ler mais
Recomendadas

João Sousa Gião reeleito Presidente do Comité Permanente de Convergência de Supervisão da ESMA

“A reeleição de João Sousa Gião consolida a presença internacional da CMVM, em linha com as metas traçadas pelo seu Conselho de Administração, que se focam na otimização do desempenho da organização também através da participação ativa em debates e decisões nos fora internacionais com impacto no enquadramento interno e externo e na promoção de uma maior visibilidade ao mercado nacional”, diz a CMVM.

PSI 20 fecha no ‘verde’ mas longe das congéneres europeias

Apesar de ter encerrado a segunda sessão da semana em território positivo, o PSI 20 ficou aquém do desempenho registado nas congéneres europeias.

Tesla e novos serviços da Apple dão energia a Wall Street

Depois de uma sexta-feira negra e de encerrar sem tendência esta segunda-feira, Wall Street voltou aos ganhos, impulsionada pela tecnologia. A Apple e a Tesla estão a registar um desempenho positivo.
Comentários