Administrações do Bankia e CaixaBank aprovaram fusão

O La Caixa ficará com 30% do banco que resultar da fusão e o Estado (dono do Bankia) ficará com 16%, o restante fica nas mãos de acionistas minoritários e grandes fundos de investimento como o BlackRock, e ainda estará na estrutura a Mutua Madrilena. A capitalização do novo grupo alcança os 16.200 milhões superando o BBVA, diz o El Economista. A capitalização do Santander continua no topo, nos 29.300 milhões de euros.

Albert Gea/Reuters

É a notícia de última hora que chega de Espanha, as duas administrações dos bancos acabam de aprovar os termos da fusão que irá criar o maior banco espanhol a nível doméstico.

Os órgãos sociais validaram o que foi previamente acordado pela Ministra da Economia, Nadia Calviño e pelo presidente da Fundação la Caixa, Isidro Fainé.

O El Economista diz que a operação concretizar-se-á através de uma troca de ações que avalia o Bankia em cerca de 4.200 milhões de euros, o que traduz um prémio de 30% aos acionistas do grupo nacionalizado. A troca de ações será feita no âmbito de um aumento de capital em espécie que o Caixabank irá realizar. Os dono do Bankia receberão uma ação do novo grupo por cada uma detida.

O La Caixa ficará com 30% do banco que resultar da fusão e o Estado ficará com 16%, o restante fica nas mãos de acionistas minoritários e grandes fundos de investimento como o BlackRock, e ainda estará na estrutura a Mutua Madrilena. A capitalização do novo grupo alcança os 16.200 milhões superando o BBVA, diz o El Economista. A capitalização do Santander continua no topo, nos 29.300 milhões de euros.

O jornal espanhol diz ainda que o novo banco que resultar da fusão deverá ter de constituir à partida imparidades de 6.300 milhões para crédito.

Em Portugal o CaixaBank tem 100% do BPI.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank anuncia lucros de 309 milhões de euros no terceiro trimestre

No período homólogo, o banco tinha registado um prejuízo de 832 milhões de euros.

Grupo Santander prevê redução de postos de trabalho em Portugal entre outros países

O presidente executivo (CEO) do Santander, José António Álvarez, insistiu na conferência de imprensa sobre os resultados do banco até finais de setembro, que o alcance deste novo ajustamento está ainda por determinar e que os sindicatos serão os primeiros a tomar conhecimento dele.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.
Comentários