PremiumAdministradores da Cuatrecasas receberam 11,5 milhões em 2019

O relatório corporativo da sociedade ibérica demonstra uma receita total de 316,4 milhões de euros no ano passado – um valor recorde.

A sociedade de advogados Cuatrecasas publicou, pela primeira vez, as remunerações do seu conselho de administração, presidido por Rafael Fontana. Os 12 membros do board deste escritório ibérico receberam 11,5 milhões de euros em 2019, o que representa um aumento de 8,5% comparativamente ao ano anterior. O salário médio dos gestores da Cuatrecasas é de 962 mil euros, sendo que o valor varia consoante o(a) advogado(a) dependendo de fatores como a antiguidade na firma fundada em 1917 na cidade de Barcelona, segundo avançou o jornal espanhol “El País” e confirmo o Jornal Económico.

Os membros do conselho de administração receberam 9,084 milhões de euros em 2019 “pelos serviços profissionais prestados”, de acordo com a informação divulgada pela Cuatrecasas, sendo que 2.021 milhões de euros foram a título de dividendos. No ano anterior, os sócios arrecadaram praticamente o mesmo montante em dividendos e juros, porém menos um milhão de euros pelos serviços profissionais prestados à sociedade. Adicionalmente, contaram uma apólice de seguro de responsabilidade civil de administradores e executivos no valor de 36.622 euros.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumOrdem recebe queixas de inscrições indevidas na Segurança Social

A sustentabilidade da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores está em debate na AR. Jovens defendem que firmas devem comparticipar.

Brexit & RGPD: sinais de um mundo interdependente

A importância e complexidade regulatória inerentes à Proteção de Dados é, desde logo, fundada na necessidade de troca de informações com o Reino Unido para fins de segurança e prevenção de ameaças do foro criminal.
ana_catarina_mendes_ps

PS propõe comissão para avaliar integração da Caixa de Previdência dos Advogados na Segurança Social

O grupo parlamentar socialista considera que o atual sistema de previdência dos advogados e solicitadores é “desajustado” e não tem “nenhum cariz assistencialista”, e deve refletir-se sobre a sua integração na Segurança Social.
Comentários