Adolfo Mesquita Nunes: “O meu projeto de vida não passa exclusivamente pela política”

O vice-presidente demissionário diz que a opção que tomou “em nada belisca” as suas convicções políticas e que vai continuar a ser um apoiante do CDS-PP e da sua atual líder, Assunção Cristas.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas (2D), acompanhada por Adolfo Mesquita Nunes (D), Nuno Melo (2E) e por Telmo Correia (E) durante os trabalhos do 27.º Congresso Nacional do CDS-PP, em Lamego, 10 de março de 2018. NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

Adolfo Mesquita Nunes justificou esta terça-feira a saída da vice-presidência do CDS-PP com a vontade de concretizar um projeto de vida que vai além da política. O vice-presidente demissionário diz que a opção que tomou “em nada belisca” as suas convicções políticas e que vai continuar a ser um apoiante do CDS-PP e da sua atual líder, Assunção Cristas.

“Nem todos concordarão com esta escolha, outros treslerão, com mais ou menos insinuações, mas é a minha escolha. Uma escolha livre e consciente, que são os únicos adjetivos que me autorizo”, escreveu Mesquita Nunes numa publicação no Facebook. “Sinto apenas que fiz a minha escolha. E como na canção do Sondheim, a escolha pode estar errada, mas escolher está certo. E eu escolho”.

Adolfo Mesquita Nunes garante, no entanto, que a decisão de deixar a vice-presidência do CDS-PP não choca com outra decisão que tomou há uns anos. “O meu partido é o CDS. A minha história está no CDS. E o meu caminho acompanha o do CDS. Estou convencido de que a alternativa ao socialismo, de que o caminho para um país mais livre, um país com mais ambição e mais oportunidades, passa por um CDS forte, líder”, afirma.

O democrata-cristão diz ainda que vai continuar a ser, como foi “desde o primeiro dia”, e com “a mesma convicção” um apoiante de Assunção Cristas e “da sua ambição e do seu projeto”. Adolfo Mesquita Nunes garante que vai continuar a lutar com “o sentido de militância” de milhares de filiados. E concretiza: “Bater-me-ei, em total liberdade e com absoluto empenho, porque é nisso que acredito”.

“Isto parece uma mensagem de despedida, mas é o contrário disso. É a reafirmação de um compromisso: de um compromisso com o CDS e com esta liderança, de que me orgulho. A todos os que cabem neste meu percurso, e que são muitos, não preciso de dizer que vou andar por aí. Vamos todos andar por aqui”, sublinha o até agora número dois do partido.

Conforme noticiou o jornal “Expresso”, Adolfo Mesquita Nunes vai assumir o cargo de administrador não-executivo da Galp, devendo deixar o partido em abril.

Ler mais
Relacionadas

Movimento CDSXXI considera que saída de Mesquita Nunes fragiliza CDS

A corrente de opinião interna aplaude a decisão de Adolfo Mesquita Nunes para “não acumular funções que possam gerar conflitos de interesses”, mas defende que a sua saída vai levar à “inevitável a viragem de um novo ciclo no CDS-PP”.

Mesquita Nunes demite-se do CDS para assumir cargo na Galp

Com a aceitação do cargo na Galp, Adolfo Mesquita Nunes considerou que deixa de poder estar na linha da frente do combate partidário.
Recomendadas

“Não existem poções mágicas para aproximar os cidadãos da política”

“Acreditamos, por isso, que estamos a fazer serviço público e que os deputados e deputadas muito apreciarão. Tornar o trabalho dos parlamentares acessível a todos e de uma forma mais acessível parece-nos recolher muito entusiasmo”, assume um dos investigadores do projeto.

PCP apresenta programa eleitoral com “emergência salarial” e justiça fiscal em destaque

Entre as medidas que constam no programa eleitoral da CDU, que vai ser esta terça-feira apresentado, estão o aumento do salário mínimo nacional para os 850 euros e a redução do IVA, bem como um reforço no investimento público e a rutura com a política de direita de PS, PSD e CDS.

Parlamento Europeu escolhe entre Ursula von der Leyen e a crise política

Voto secreto e difícil conciliação das diversas famílias políticas aumentam suspense quanto ao veredicto do Parlamento Europeu. Chumbo da ainda ministra da Defesa da Alemanha daria um mês para os Estados-membros encontrarem uma nova solução.
Comentários