Adolfo Mesquita Nunes: “O meu projeto de vida não passa exclusivamente pela política”

O vice-presidente demissionário diz que a opção que tomou “em nada belisca” as suas convicções políticas e que vai continuar a ser um apoiante do CDS-PP e da sua atual líder, Assunção Cristas.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas (2D), acompanhada por Adolfo Mesquita Nunes (D), Nuno Melo (2E) e por Telmo Correia (E) durante os trabalhos do 27.º Congresso Nacional do CDS-PP, em Lamego, 10 de março de 2018. NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

Adolfo Mesquita Nunes justificou esta terça-feira a saída da vice-presidência do CDS-PP com a vontade de concretizar um projeto de vida que vai além da política. O vice-presidente demissionário diz que a opção que tomou “em nada belisca” as suas convicções políticas e que vai continuar a ser um apoiante do CDS-PP e da sua atual líder, Assunção Cristas.

“Nem todos concordarão com esta escolha, outros treslerão, com mais ou menos insinuações, mas é a minha escolha. Uma escolha livre e consciente, que são os únicos adjetivos que me autorizo”, escreveu Mesquita Nunes numa publicação no Facebook. “Sinto apenas que fiz a minha escolha. E como na canção do Sondheim, a escolha pode estar errada, mas escolher está certo. E eu escolho”.

Adolfo Mesquita Nunes garante, no entanto, que a decisão de deixar a vice-presidência do CDS-PP não choca com outra decisão que tomou há uns anos. “O meu partido é o CDS. A minha história está no CDS. E o meu caminho acompanha o do CDS. Estou convencido de que a alternativa ao socialismo, de que o caminho para um país mais livre, um país com mais ambição e mais oportunidades, passa por um CDS forte, líder”, afirma.

O democrata-cristão diz ainda que vai continuar a ser, como foi “desde o primeiro dia”, e com “a mesma convicção” um apoiante de Assunção Cristas e “da sua ambição e do seu projeto”. Adolfo Mesquita Nunes garante que vai continuar a lutar com “o sentido de militância” de milhares de filiados. E concretiza: “Bater-me-ei, em total liberdade e com absoluto empenho, porque é nisso que acredito”.

“Isto parece uma mensagem de despedida, mas é o contrário disso. É a reafirmação de um compromisso: de um compromisso com o CDS e com esta liderança, de que me orgulho. A todos os que cabem neste meu percurso, e que são muitos, não preciso de dizer que vou andar por aí. Vamos todos andar por aqui”, sublinha o até agora número dois do partido.

Conforme noticiou o jornal “Expresso”, Adolfo Mesquita Nunes vai assumir o cargo de administrador não-executivo da Galp, devendo deixar o partido em abril.

Ler mais
Relacionadas

Movimento CDSXXI considera que saída de Mesquita Nunes fragiliza CDS

A corrente de opinião interna aplaude a decisão de Adolfo Mesquita Nunes para “não acumular funções que possam gerar conflitos de interesses”, mas defende que a sua saída vai levar à “inevitável a viragem de um novo ciclo no CDS-PP”.

Mesquita Nunes demite-se do CDS para assumir cargo na Galp

Com a aceitação do cargo na Galp, Adolfo Mesquita Nunes considerou que deixa de poder estar na linha da frente do combate partidário.
Recomendadas

Partidos gastam quase 5 milhões de euros com as eleições europeias

Trata-se de um aumento de mais de 500 mil euros face aos 16 partidos e coligações que se apresentaram na corrida em 2014

CFP vai ao parlamento falar sobre Programa de Estabilidade 2019-2023

Nazaré Costa Cabral vai esta terça-feira à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa falar sobre o Programa de Estabilidade 2019-2023, que o Governo apresentou em 15 de abril.

CPI à Caixa: Lista de 12 a 15 novas audições é fechada hoje. Santos Ferreira e Faria de Oliveira já agendados

Nova fase de audições dá prioridade a antigos presidente da Caixa. Santos Ferreira, Faria de Oliveira e António de Sousa são as próximas personalidades a ser ouvidas, numa lista de novas audições que ficará hoje fechada e que contará com 12 a 15 personalidades entre político, clientes e antigos administradores. Ao nível de documentos, Parlamento insiste junto do Banco de Portugal  com relatório secreto sobre atuação do governador no caso BES.
Comentários