Advogado António Serra Lopes morre aos 87 anos

O velório vai realizar-se este sábado às 16h30, na Igreja da Ressureição, em Alvide (Cascais), seguindo-se a missa de corpo presente às 19h00. A encomendação acontecerá amanhã e está marcada para as 12h30, à qual se seguirá a cremação na Agnus Dei em Alcabideche.

O advogado António Serra Lopes, fundador da sociedade Serra Lopes, Cortes Martins & Associados (SLCM), morreu esta sexta-feira aos 87 anos. O velório vai realizar-se este sábado às 16h30, na Igreja da Ressureição, em Alvide (Cascais), seguindo-se a missa de corpo presente às 19h00. A encomendação acontecerá amanhã e está marcada para as 12h30 e logo em seguida é a cremação na Agnus Dei em Alcabideche.

A Ordem dos Advogados (OA), através do Conselho Geral e do bastonário Luís Menezes Leitão, manifestou esta noite o “mais profundo pesar” pela morte do seu “ilustre colega” a apresentou as “sentidas condolências” à mulher, Maria de Jesus Serra Lopes, ex-bastonária e sócia fundadora da SLCM, e à restante família do histórico jurista.

António Serra Lopes nasceu em Lisboa em 1934. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa (1958), concluiu o curso de Direito Comparado na Faculdade Internacional de Direito Comparado de Estrasburgo (1967), foi consultor do Governo, diretor jurídico do grupo CUF e membro da Union International des Avocats (UIA), da International Bar Association (IBA) e do Centro de Arbitragem da Associação Comercial de Lisboa.

Inscrito na OA desde 1962 e na Ordem dos Advogados do Brasil desde 1975, António Serra Lopes viveu no Brasil, tendo exercido a sua atividade na sociedade de advogados Gouvea Vieira, José Nabuco & Associados entre 1975 e 1980. O advogado trabalhava sobretudo com processos e assessorias relacionadas com contencioso e arbitragem, fusões e aquisições e societário.

Não conheci nenhuma pessoa como o meu pai. Vertical, intransigente, divertido, extraordinariamente inteligente, com o maior sentido de humor e uma imaginação verdadeiramente prodigiosa. O meu pai foi um dos melhores advogados da sua geração. Mas foi muito mais do que isso. Muito. Nunca teve de mudar de passeio ou de virar a cara para não encarar alguém. Seguiu a vida cortando a direito, fazendo sempre, exclusivamente, o que a sua consciência ditava. Falava francês, inglês, italiano, alemão. Falava com as mãos, com os olhos. Contava histórias e anedotas como ninguém. Preferia perder um amigo, a perder uma boa piada – Inês Serra Lopes, filha de António Serra Lopes

Um dos maiores advogados de um grande geração de juristas, um homem que teve importante intervenção cívica nos tempos mais difíceis da nossa democracia, uma inteligência superior, um sentido de humor e uma grandeza humana a que ninguém ficava indiferente. Foi meu Patrono, ensinou-me a ser advogado, foi um amigo de todas as horas e deixa na SLCM uma marca fortíssima de carácter, de exigência e de integridade. Tinha um carinho muito especial pelos mais novos e uma preocupação com a sua formação. Neste momento triste deixo uma palavra de profunda gratidão pelo que fez por todos nós na certeza de que o seu carisma fundador permanece bem vivo. Esperamos sabê-lo honrar – Luís Cortes Martins, sócio e managing partner da SLCM

Notícia atualizada às 17h

Recomendadas

“Sucessão da SRS Advogados será democrática e participativa”, assegura managing partner

Em entrevista ao programa “Falar Direito”, da plataforma multimédia JE TV, Pedro Rebelo de Sousa, managing partner da SRS Advogados, abordou o processo de sucessão na SRS Advogados, garantindo que o mesmo será feito de forma participativa.

14 Sports Law eleita melhor firma de direito desportivo na Península Ibérica

Empresa sediada no Porto representou, entre outros casos o Santos FC contra o FC Barcelona, na transferência do jogador Neymar Jr.

Paulo de Cunha e Sá: “Não queremos competir com a oferta formativa das universidades”

Constituída com uma entidade autónoma do escritório ibérico e com marca própria, esta academia garante que não chega para falar “legalês” dos juristas nem para competir com a oferta das universidades portuguesas e internacionais, garantiu o advogado Paulo de Sá e Cunha, sócio da Cuatrecasas Portugal no programa “Falar Direito”, da plataforma multimédia JE TV.
Comentários