Advogado Arnaldo Silva impedido de sair de Cabo Verde

O ex-bastonário da Ordem dos Advogados cabo-verdiana fica sob termo de identidade e residência.

O advogado Arnaldo Silva, detido na quarta-feira pela Polícia Judiciária (PJ) na cidade da Praia, fica em termo de identidade e residência, está proibido de sair de Cabo Verde e impossibilitado de contactar os demais elementos envolvidos no processo, segundo a informação confirmada pela PJ. A medida de coação foi aplicada ontem pelo Tribunal da Comarca da Praia, depois ter sido presente a tribunal para primeiro interrogatório judicial.

O ex-bastonário da Ordem dos Advogados de cabo-verdiana é suspeito de crimes de burla qualificada, falsificação de documentos, organização criminosa, corrupção ativa, falsidade informática e lavagem de capitais. No mesmo dia, decorreram buscas no seu escritório e a detenção aconteceu “fora de flagrante delito”.

Em comunicado emitido ontem, a Procuradoria-Geral da República de Cabo Verde diz que, além de Arnaldo Silva, mais seis pessoas foram identificadas no processo. No âmbito da investigação, que contou com o apoio da PJ, foram realizadas várias diligências, tendo o Ministério Público cabo-verdiano promovido a emissão de mandados de busca a vários locais, na Praia, entre os quais a “dois escritórios de um advogado identificado, autorizadas e presididas pelo juiz, em observância de todos os pressupostos legais”.

Arnaldo Pina Pereira Silva foi bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo Verde durante dois mandatos de três anos, entre 2006 e 2012, tendo antes desempenhado cargos governativos no país.

Relacionadas

Ex-bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo Verde detido por negócio de terreno

No âmbito da investigação foram realizadas várias diligências, tendo o Ministério Público cabo-verdiano promovido a emissão de mandados de busca a vários locais, na cidade da Praia, entre os quais a dois escritórios.
Recomendadas

União Europeia desafia Cabo Verde a incluir dimensão de género nos compromissos futuros

A embaixadora da União Europeia em Cabo Verde lembrou que o programa OGP tem um financiamento de oito milhões de euros e é “uma iniciativa importante na cooperação bilateral” entre o bloco europeu e o país africano.

Portugal e Cabo Verde querem combate ao racismo “todos os dias” com serenidade e inteligência

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu um combate “pela positiva” a manifestações racistas e discriminatórias.

Cabo Verde lidera entre centena de deportados dos PALOP pelos Estados Unidos

O número de cabo-verdianos deportados, por vários motivos, mas sobretudo imigração ilegal, desceu no ano passado para 50, face aos 68 de 2018.
Comentários