Advogados denunciam notários por serviços indevidos de aconselhamento jurídico

O Conselho Regional de Lisboa da Ordem instaurou um procedimento de averiguação preliminar para perceber o teor e o alcance do anúncio e contactou a Ordem dos Notários, depois de receber alertas por parte de advogados e de se aperceber que os notários estão a entrar “no território dos atos próprios” dos advogados e dos solicitadores.

O Conselho Regional de Lisboa (CRL) da Ordem dos Advogados (OA) endureceu o combate à procuradoria ilícita em Portugal com uma nova denúncia, desta vez a um serviço de esclarecimento de dúvidas jurídicas oferecido pela Ordem dos Notários e um profissional desta área que manifestou disponibilidade para prestar aconselhamento jurídico e pedido uma provisão para esse efeito.

O CRL informou esta segunda-feira que instaurou um procedimento de averiguação preliminar para perceber o teor e o alcance do anúncio e contactou a Ordem dos Notários, depois de receber alertas por parte de advogados e de se aperceber que os notários estão a entrar “no território dos atos próprios” dos advogados e dos solicitadores.

“Não será admissível que a Ordem dos Notários publicite a prestação de serviços de esclarecimento de «dúvidas jurídicas» como o faz, e de forma generalista, fazendo crer ao público alvo que terá competência para prestar “consulta jurídica” ao cidadão, em qualquer área do direito e em qualquer matéria”, refere a entidade liderada por João Massano.

“Quando não é esse o objeto definido por lei nos seus Estatutos, e bem assim, não pode um notário substituir-se a um advogado, pois que àquele estará sempre vedada a representação de uma parte, apenas sendo-lhe permitido que em determinadas circunstâncias e para a celebração de um ato notarial possa vir a esclarecer do seu conteúdo e forma e nunca responder a consultas jurídicas ou a tomar um partido num eventual litígio entre partes”, explica o CRL.

Este conselho regional da Ordem considera a situação “inadmissível” e diz que que este trabalho não está nos seus estatutos (Estatutos da Ordem dos Notários e do Notariado).

“A função do notário será a de garantir e verificar que não há a ocorrência de qualquer vício que possa inquinar a vontade das partes, podendo apenas, prestar esclarecimentos ou dissipando dúvidas que assaltem as partes sobre o ato que irão formalizar, como por exemplo, num testamento, esclarecer eventuais dúvidas sobre esse instituto; e não prestar consultas jurídicas ad-doc, sobre as mais diversas áreas do Direito”, aponta o CRL da OA.

Ler mais
Recomendadas

CPAS aprova plano de proteção de rendimentos para advogados, solicitadores e agentes de execução com incapacidade temporária de trabalho

O seguro de acidentes pessoais e de doença foi desenvolvido pela AIG e permite que os beneficiários beneficiem de uma proteção que lhes garante, nas situações previstas, o pagamento equivalente a 70% da remuneração convencional mensal por si escolhida, sendo que os prémios são assumidos pelo sistema de previdência.

Legal design. O triângulo entre tecnologia, Direito e design que está a entrar a advocacia

“A tecnologia não nos está a substituir. Temos de utilizá-la, dizer que dados pretendemos e para quê. Claro que são ferramentas novas, mas nós continuamos a ser os profissionais”, garante Alexandre Zavaglia Coelho, CEO da consultora brasileira Legal Score.

Optimal assessora AdeA na compra da portuguesa Safebox

As duas empresas operam na área da gestão de arquivos e documentos.
Comentários