Advogados elegem Conselho Regional da Ordem na Madeira para os próximos três anos

A tabela de honorários no acesso ao direito e aos tribunais, o facto de a Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS) não oferecer qualquer proteção em caso de doença ou no apoio à saúde e o combate à procuradoria ilícita foram os temas destacados pelos candidatos para esta nova fase da advocacia regional.

Os advogados da Madeira começam esta quarta-feira a eleger o próximo Conselho Regional da Ordem dos Advogados, numas eleições que só terminam na sexta-feira, dia 29 de novembro. A concorrer estão duas candidatas que fazem parte da lista que ainda está em funções, Paula Margarido, que tem funções de presidência desde a saída de Brício Araújo para a lista do PSD, e Mariana Pinto Cruz, com funções de Vogal, e ainda o candidato Alexandre Silva.

A tabela de honorários no acesso ao direito e aos tribunais, que não é atualizada desde 2015, é uma das preocupações comuns. Além da atualização da tabela, com remunerações que Paula Margarido considera “miseráveis” e “indignas”, a candidata propõe ainda que o Estado transfira as verbas do acesso ao direito e aos tribunais para a Ordem e que seja a própria Ordem a pagar aos advogados, como forma de “agilizar o processo”.

Alexandre Silva realça que desde 2004 esta tabela não é atualizada. “Aumenta tudo, aumenta o salário mínimo nacional, mas curiosamente a tabela de honorários não aumenta”, destaca.

O facto de a Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS) não proteger a classe em caso de doença ou no apoio à saúde também é tema comum entre os candidatos. Paula Margarido diz que era preferível a Ordem cobrar mais 30 ou 40 euros para a Caixa de Previdência, contemplando, no entanto, um seguro de saúde.

Mariana Pinto Cruz acredita que a defesa dos interesses dos advogados em matéria de saúde faz-se a dois níveis. A nível nacional através da contratação de seguros de saúde, e a nível regional através de parcerias e protocolos com instituições regionais. “Este é um assunto já muito pensado, um assunto já discutido com eventuais parceiros, para ver se há condições ou não de oferecer isso aos colegas. O que posso adiantar é que há contactos estabelecidos e há condições para isso”.

A candidata requer ainda para a Região que a Caixa de Previdência disponibilize um gabinete de consulta para os advogados, à semelhança do que acontece em Lisboa, Coimbra e Porto.
Relativamente à procuradoria ilícita, os três candidatos comprometem-se a lutar para que a lei dos atos próprios dos advogados seja efetivamente cumprida.

Alexandre Silva assume como prioridade um “plano forte contra a procuradoria ilícita”, que passa pela criação da vinheta eletrónica e ainda pela criação de plataformas informáticas para a prática de atos próprios. No seu entender esta é uma questão que o atual Conselho Regional descurou.

Leia aqui as propostas dos candidatos ao Conselho Regional da Ordem dos Advogados, da edição impressa de novembro do Económico Madeira.

Ler mais
Recomendadas

António Andrade é o novo sócio da Abreu Advogados

O novo sócio da Abreu, que transita da VdA, vai reforçar a aposta do escritório em Propriedade Intelectual com especial enfoque na área da ciência farmacêutica e de biotecnologia.

Consultora alemã Mirow & Co está a recrutar em Portugal

“Somos uma alternativa bem-vinda à própria McKinsey e BCG”, garante o empresário alemão Andreas Mirow, sócio e fundador da empresa, em entrevista ao Jornal Económico.

Conta bancária e conta de pagamento

Os bancos do futuro não serão seguramente como os conhecemos até aqui, mas poucas são as fintech que já são bancos, apesar de serem os grandes concorrentes dos bancos.
Comentários