Aeronaves e guardas armados nos navios: o plano do Governo da Madeira para dinamizar o centro de negócios

CINM registou 2.238 licenças ativas em 2018, uma redução substancial face às mais de 5.000 que registava no início do século, fruto das limitações nos benefícios e isenções fiscais que foram sendo impostas à região ao longo dos anos.

Cristina Bernardo

O Governo Regional da Madeira quer dinamizar o Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM) na próxima legislatura, com medidas que vão fomentar o registo de embarcações internacionais e abrir a possibilidade de haver também licenciamento de aeronaves.

O CINM registou 2.238 licenças ativas em 2018, uma redução substancial face às mais de 5.000 que registava no início do século, fruto das limitações nos benefícios e isenções fiscais que foram sendo impostas à região ao longo dos anos.

Como o crescimento do registo internacional de navios tem sido determinante para contornar estas restrições, o diretor Regional Adjunto e das Finanças na Vice-Presidência do Governo Regional da Madeira, Rogério Gouveia, revelou esta segunda feira que, para a próxima legislatura, o intuito é apostar neste segmento do centro de negócios.

Uma das principais iniciativas em curso é a mudança de legislação que permitir que as embarcações licenciadas no CINM tenham guardas armados a bordo, uma questão considerada importante por causa da pirataria: abrindo a possibilidade de haver segurança armada a bordo, o governo espera obter mais registos de navios.

Outra vertente para dinamizar o centro, adiantou,  poderá ser o licenciamento de aeronaves.

“O Governo está a estudar a possibilidade de haver também registo de aeronaves, dando uma nova valência ao centro de negócios”, disse, na conferência “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”, organizada em Lisboa esta segunda-feira pelo Económico Madeira e o Jornal Económico, com o apoio da Abreu Advogados e com o alto patrocínio do Governo Regional.

Rogério Gouveia destacou que o centro é uma “fonte importante” das receitas da região, representando 11% a 14% das receitas fiscais. “Sem esta receita, seríamos obrigados a tomar decisões que ninguém gosta de tomar. Teríamos constrangimentos semelhantes aos do período de intervenção. Ninguém quer isso”.

O responsável governativo defendeu a importância do centro para a dinamização da economia da Madeira, apontando o “efeito catalisador enorme” e exemplificando “que sempre que o CINM não está bem o mercado de arrendamento sofre”.

“Mesmo com algumas ameaças, o próprio governo central, não este, mas outros já passados, não olhou para a zona franca com a devida atenção”, disse, acrescentando que “felizmente isso está ultrapassado e o CNI tem sido defendido de forma pelo governo central e regional e tudo isto não passará de um mero episódio”.

Ler mais
Relacionadas

Desafios e oportunidades para investir na Madeira: JE debate fiscalidade na Região

“Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa” é o tema do evento, que tem o apoio da Abreu Advogados e da Empresa de Eletricidade da Madeira e conta com o Alto Patrocínio do Governo da Madeira. Debate é esta segunda-feira, no Auditório Abreu Advogados, em Lisboa.

Excedente orçamental da Madeira contribui para as contas nacionais, defende Governo Regional

Diretor Regional Adjunto e das Finanças na Vice-Presidência do Governo Regional da Madeira frisou a prioridade que tem sido dada à redução da dívida nos últimos anos. “Por um lado, a dívida comercial foi transformada em dívida financeira, o que permitiu reduzir o nível de juros. Por outro, houve uma reestruturação do setor empresarial, tornando as empresas públicas mais desalavancadas”.
Recomendadas

Consumo turístico cresceu mais de 30% desde 2017 no Alentejo e Ribatejo

Presidente do Turismo do Alentejo e do Ribatejo, António Ceia da Silva, revelou, durante a conferência “Inovação como instrumento de mudança no mercado de trabalho”‘: “O turista que hoje nos visita consome mais 30% do que consumia há dois anos”.

“Manter e captar talento”. Empresas buscam talentos na Universidade de Évora

As principais áreas em que os estudantes da Universidade de Évora, em matéria de inovação, têm sucesso são as de aeronáutica, turismo, agro-indústria e tecnologias da informação.

Altice Portugal quer contribuir para coesão nacional com aposta no interior

O administrador João Zúquete da Silva, assumiu como objetivo da operadora colocar as novas vias de acessibilidades –  “as autoestradas da informação” – ao serviço do país, sem excluir a região de Évora e o Alentejo.
Comentários