Aeroporto de Heathrow pede a Boris Johnson para acabar com quarentena

A solução seria mitigar o isolamento obrigatório de 14 dias para países que não estão na lista verde do governo, se apresentarem resultados negativos, segundo o presidente do aeroporto.

Aeroporto de Heathrow, Londres | Richard Heathcote/Getty Images

John Holland-Kaye, presidente-executivo do aeroporto de Londres Heathrow, pediu ao governo britânico que substitua a quarentena obrigatória para por um sistema de testes à Covid-19 para as pessoas que chegam ao país, segundo o portal “La Vanguardia”.

O pedido surge na sequência do principal aeroporto britânico ter informado que já registou perdas de 1,1 mil milhões de euros no primeiro semestre do ano. Holland-Kaye, em entrevista à “BBC” avisa que os resultados financeiros de Heathrow devem servir de “alerta” para introduzir um sistema de testes aos viajantes, ao invés da quarentena obrigatória de 14 dias imposta pelo governo de Boris Johnson.

A solução, de acordo com essa fonte, seria mitigar o isolamento obrigatório de 14 dias para países que não estão na lista verde do governo, se apresentarem resultados negativos. “Testar viajantes é uma maneira de nos abrirmos às viagens e voltar-mos a negociar para alguns dos maiores mercados e empresas do Reino Unido que atualmente ainda estão fechados”, disse Holland-Kaye.

O executivo de Boris Johnson anunciou esta semana que existem países que poderiam sair da lista verde se houver sinais de uma segunda onda de Covid-19 na Europa, embora recomendando não viajar, por exemplo, para a península ibérica. A inclusão de Portugal na lista negra de países para os quais os britânicos são desaconselhados a viajar, tem gerado várias críticas das autoridades portugueses que afirmam ser injusto tendo em conta os números em Portugal respetivos ao Covid-19.

Operadoras como Jet2 e a TUI também anunciaram o cancelamento dos seus pacotes de férias para as próximas semanas, enquanto Heathrow explicou que o número de passageiros no aeroporto diminuiu 96% entre abril e junho em comparação ao ano passado.

No entanto, em declarações à BBC, o secretário de Estado da Cultura e Desporto, Oliver Dowden, explicou que atualmente “não existe alternativa viável à quarentena de 14 dias”. Dowden acrescentou que “se pudéssemos, de alguma forma, evitar impor uma quarentena de 14 dias, é claro que o faríamos, mas não estamos num momento em que existe uma alternativa viável”.

Sobre as pessoas que planeiam organizar as suas férias nessas circunstâncias, Dowden disse que podem, mas devem estar cientes do risco de ficarem em quarentena.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários