Aeroporto Montijo: Governo congratula-se com declaração ambiental da APA, passo que faltava para a obra

O Governo congratulou-se esta quarta-feira com a emissão da Declaração de Impacte Ambiental (DIA) pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), considerando que este era o passo que faltava para avançar com o aeroporto do Montijo.

Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos | Foto de Cristina Bernardo

Em comunicado, o Ministério das Infraestruturas e da Habitação sublinha que as medidas exigidas pela APA “devem ser agora respeitadas no relatório de conformidade ambiental do projeto de execução seguindo-se o início da obra”.

A APA confirmou na terça-feira a viabilidade ambiental do novo aeroporto no Montijo, projeto que recebeu uma decisão favorável condicionada em sede de DIA.

Esta decisão mantém cerca de 160 medidas de minimização e compensação a que a ANA – Aeroportos de Portugal “terá de dar cumprimento”, as quais ascendem a cerca de 48 milhões de euros, adianta a nota da APA.

Em comunicado, a APA afirma ter emitido uma DIA “relativa ao aeroporto complementar do Montijo, confirmando a decisão favorável condicionada à adoção da Solução 2 do estudo prévio da extensão sul da Pista 01/19 e solução alternativa do estudo prévio da ligação rodoviária à A12 [autoestrada 12]”.

A APA acrescenta que as medidas – relacionadas com a avifauna, ruído, mobilidade e alterações climáticas – “permitem minimizar e compensar os impactes ambientais negativos do projeto, as quais serão detalhadas na fase de projeto de execução”.

Entretanto, oito organizações ambientalistas vão recorrer aos tribunais e à Comissão Europeia para travar o aeroporto no Montijo, por considerarem “ir contra as leis nacionais, as diretivas europeias e os tratados internacionais”.

Assinam o comunicado em que dão conta da decisão as organizações ambientalistas Almargem, ANP/WWF, A Rocha, GEOTA, LPN, FAPAS, SPEA e Zero.

As oito organizações reiteram que todo o processo referente ao novo aeroporto de Lisboa, considerado estratégico para o país, “tem forçosamente que ser apreciado no contexto de uma avaliação ambiental estratégica” em que sejam ponderadas todas as opções possíveis.

“A construção de um novo aeroporto não pode ser decidida como um projeto avulso, desenquadrado dos instrumentos de planeamento estratégico aos quais o país está vinculado, e tem de ter como base o conhecimento mais completo e atual de todas as componentes (climática, ecológica, social, económica, etc.)”, salientam os ambientalistas.

Ler mais
Relacionadas

Aeroporto Montijo: Construção depende da aprovação do projeto de execução e respetivo relatório ambiental

A construção do novo aeroporto do Montijo, declarada na terça-feira ambientalmente viável pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), só pode avançar após aprovação dos respetivos projeto de execução e relatório de conformidade ambiental.

Autarquias e supervisor de combustíveis defendem oleoduto para abastecer aeroporto do Montijo para retirar 7.300 camiões das estradas

Já existe um oleoduto construído, mas não existe nenhuma data para entrar em operação para abastecer o novo aeroporto da região de Lisboa. Infraestrutura iria permitir retirar mais de sete mil camiões da estrada por ano. Outras alternativas seriam ligar o aeroporto ao oleoduto Sines-Aveiras ou ao armazém de combustíveis no Barreiro.

Agência do Ambiente deu ‘luz verde’ definitiva ao Montijo, mas mantém condições

Existem oito agências ambientais que querem travar o projeto nas instâncias judiciárias portuguesas e comunitárias. A DIA prevê 160 medidas de compensação para as obras poderem avançar.
Recomendadas

Lisboa Protege. Autarquia disponibiliza 20 milhões de apoio às empresas a partir de hoje

Esta fase do programa está orçada em 35 milhões de euros, sendo que 20 milhões são para os empresários com quebra de faturação superior a 25% nos três primeiros trimestres do ano passado ou na totalidade dos trimestres.

BE quer acabar “presunção legal” de que trabalhadores aceitam despedimento assim que recebem compensação

O BE entende que, quando um trabalhador é despedido por razões que não são de justa causa, o recebimento da compensação prevista na lei não é suficiente para certificar que esse mesmo trabalhador se resigna ou se abstenha de contestar o despedimento na justiça, e pede que essa presunção legal seja extinta.

PS e PSD separados por 11 pontos. Bloco regressa à terceira posição

O partido de António Costa recolhe 37,6% das intenções de voto, mantendo-se acima dos 26,5% registados pelo PSD, que se mantém com a mesma intenção de voto que em janeiro, segundo a sondagem da Aximage para a TSF/DN/JN.
Comentários