Afeganistão: EUA vão retirar 5.000 soldados até novembro

Os Estados Unidos vão retirar mais 5.000 soldados do Afeganistão até novembro deste ano, indicou hoje o secretário de Estado da Defesa norte-americano, salientando que terá, ainda, de analisar com o Congresso a forma como decorrerá o processo.

Numa entrevista à cadeia de televisão norte-americana Fox News, Mark Esper advertiu, porém, que a redução de efetivos só se fará se se cumprir uma série de condições e se o Pentágono considerar que será viável realizar missões na região com menos militares.

“Agora mesmo, acreditamos que podemos fazer todas as missões principais e, sobretudo, assegurar que os Estados Unidos não são ameaçados por terroristas que venham do Afeganistão”, declarou o secretário de Estado norte-americano.

Para Esper, o processo de paz afegão “não é perfeito”, mas tem de continuar a progredir.

“É um caminho espinhoso, é um caminho duro”, admitiu.

No início deste ano, o Governo dos Estados Unidos e os talibãs assinaram um acordo de paz histórico, com o objetivo de acabar com a presença norte-americana no Afeganistão.

O acordo prevê a retirada de militares norte-americanos da região em troca do compromisso dos talibãs de que não se envolverão em atos terroristas contra os estados Unidos.

A retirada total das tropas norte-americanas do país é um dos pontos do acordo, que contempla também negociações intra-afegãs e compromissos no combate ao terrorismo. Por seu lado, os insurgentes têm também de cortar as suas relações com a organização terrorista Al-Qaida.

No entanto, o processo tem sofrido vários reveses devido a ataques mútuos entre talibãs e as tropas afegãs.

Ler mais
Recomendadas

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.

Kuwait chora desaparecimento do emir Al-Sabah

O reinado do ‘pai dos árabes’, como era conhecido, começou em 2006 e foi marcado por um autoritarismo crescente. Externamente, era considerado um dos defensores da hegemonia árabe.
Comentários