Afinal quanto gastou o governo com o novo hospital?

Em matéria de números, existem histórias mal contadas, por exemplo em relação ao processo do Novo Hospital, e que é do domínio do conhecimento dos governantes e de alguns jornalistas, que se silenciam… Vejamos. O JPP requereu ao Governo um conjunto de comprovativos de pagamento sobre o processo do Novo Hospital e os números não batem certo. O vice-presidente do Governo Regional revelou, em sede de Assembleia Legislativa da RAM, em novembro de 2017, que o Governo já investiu 8,2 milhões no projeto do Novo Hospital. Recibos somados mostram, todavia, que o Governo executou, entre 2007 e 2017, apenas 4,9 milhões, ficando a faltar 3,3 milhões, não executados.

Há dias felizes. No domingo, em tom de brincadeira, é claro, o jornalista Jorge Sousa do DN, mostrava algumas reticências pessoais para fazer contas, de pormenor. Também reconheço que nunca foi o meu forte, os números.

Além do mais, como executivo de um órgão público, limpei os mais de 25 mil euros de dívida da Junta de Freguesia de Gaula (do tempo de 2 anos de PSD), em tempo brando, não fosse o investimento social estar limitado ao garrote social-democrata.

Há que gerir o orçamento público, como se do familiar se tratasse. Essa é a coerência. Saiba ou não se saiba fazer contas.

Se formos pela “sabedoria numérica” dos técnicos de topo “x” e “y” do executivo regional, depressa chegamos aos 6 mil milhões de dívida, e com muitos milhões não refletidos nas contas. Uma irresponsabilidade.

Em matéria de números, existem histórias mal contadas, por exemplo em relação ao processo do Novo Hospital, e que é do domínio do conhecimento dos governantes e de alguns jornalistas, que se silenciam…

Vejamos. O JPP requereu ao Governo um conjunto de comprovativos de pagamento sobre o processo do Novo Hospital e os números não batem certo.

O vice-presidente do Governo Regional revelou, em sede de Assembleia Legislativa da RAM, em novembro de 2017, que o Governo já investiu 8,2 milhões no projeto do Novo Hospital.

Recibos somados mostram, todavia, que o Governo executou, entre 2007 e 2017, apenas 4,9 milhões, ficando a faltar 3,3 milhões, não executados.

Em síntese, e analisada toda a documentação requerida, verificamos:

– Em 2015, em pleno funcionamento do Programa de Governo, este não gastou um euro com o Novo Hospital.

– Em 2016, executou, apenas 305 mil euros em Levantamentos, Projetos, Fundações e Assessoria Técnica conforme atesta o PIDDAR e 302,804 mil euros em consultadoria.

– Em 2017 executou 886,640 mil euros (entre projetos e assistências técnica) e 83,618 mil euros em consultadoria.

Conclusão: Na vigência deste Governo (entre 2015 e 2018) o executivo apenas gastou 1.578 mil euros com o projeto e consultadoria do Novo Hospital. O projeto esteve parado entre 2012 e 2015.

Se contabilizarmos as expropriações apenas estão inscritas em 2017 (sem prova de pagamento) 1,9 milhões. Mas até agora, e apesar de solicitados os comprovativos de pagamento, o governo não os remeteu.

Permanece no horizonte a dúvida.

Em traços gerais, e recuando a 2007 (ou melhor entre 2007 e 2017) o governo regional executou 4,5 milhões (em estudos e projetos), 386 mil euros em consultadoria. De expropriações estão inscritas 5,7 milhões, mas até à data sem documento comprovativo de pagamento.

Nesta sucinta análise, e confusão generalizada, onde o governo regional atrapalha e mistura pagamentos e documentos previsionais (orçamentos), somam-se 12,1 milhões, sabendo-se que 7,1 milhões carecem de prova de pagamento.

Recomendadas

Ter radioterapia é uma vantagem para a Madeira, diz diretor de ginecologia do SESARAM

O responsável pela ginecologia/obstetrícia disse ainda pensar que Rafael Macedo estaria capacitado para realizar os tais 63 exames de medicina nuclear, durante a comissão de inquérito à unidade de medicina nuclear.

“Fala-se muito num hospital novo, mas as paredes não funcionam sozinhas”, Pedro Costa Neves

O médico refere que o Hospital Doutor Nélio Mendonça tem “problemas de perda de valências e de falta de referências” e que esta é a causa para uma “degradação dos cuidados que presta”.

Madeira vai reabilitar 27 habitações degradadas ao abrigo do programa PRID

O PRID visa conceder apoio a famílias que não têm acesso a crédito bancário de modo a procederem a obras na habitação.
Comentários