África do Sul coloca Portugal na lista de países de “alto risco”

“Visitantes em turismo provenientes do Brasil não serão também permitidos a entrar no país”, referiu o ministro Aaron Motsoaledi.

A África do Sul não vai autorizar a entrada de turistas oriundos de Portugal quando reabrir as suas fronteiras na quinta-feira, por ser, no entender das autoridades sanitárias sul-africanas, um “país de alto risco” relativamente ao contágio por Covid-19, anunciou esta quarta-feira o ministro do Interior sul-africano.

O ministro Aaron Motsoaledi disse, em conferência de imprensa conjunta com outros membros do executivo sul-africano, que a restrição se aplica somente a “viagens de turismo”, estando autorizadas viagens de negócios. “Visitantes em turismo provenientes do Brasil também não terão permissão para entrar no país”, referiu Motsoaledi.

O ministro do Interior sul-africano sublinhou que os vistos que expiraram durante o confinamento da Covid-19 serão considerados válidos até 31 de janeiro de 2021.

As medidas de restrição serão revistas a cada duas semanas, foi anunciado.

Na lista de 40 países enumerados como sendo de “alto risco” por Pretória contam-se também a Rússia, Suíça, Reino Unido, Holanda, Qatar, Estados Unidos da América, França, Índia, Israel e Venezuela.

As autoridades sul-africanas consideraram a China como país de “baixo risco” devido ao “declínio do número de infeções” de covid-19.

Anteriormente, a ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Naledi Pandor, referiu que os turistas de países de alto risco – definidos como sendo aqueles com taxas de infeção ou mortalidade mais altas do que a África do Sul – seriam proibidos de entrar no país.

“À chegada ao país, os visitantes devem apresentar um teste ‘PCR’ de Covid-19, certificado por uma autoridade médica do país de embarque com menos de 72 horas”, salientou.

A governante sul-africana disse ainda que “será também obrigatório apresentar um seguro de viagem que salvaguarde a realização do teste de covid-19 à chegada, assim como os custos de quarentena, caso necessário”.

A chefe da diplomacia sul-africana precisou que “todos os visitantes do continente africano serão autorizados a entrar na África do Sul, desde que apresentem um teste de covid-19 negativo”.

Apenas turistas de países considerados pelas autoridades sul-africanas como sendo de ‘médio risco’ e ‘baixo risco’ de covid-19 serão autorizados a entrar na África do Sul a partir de 01 de outubro, foi anunciado. Todavia, as autoridades não divulgaram a lista desses países.

Três aeroportos internacionais – OR Tambo, em Joanesburgo, King Shaka International, em Durban, e Cape Town International, Cidade do Cabo –, foram identificados como sendo “os únicos portos de entrada autorizados” no país para visitantes estrangeiros.

A África do Sul anunciou hoje 903 novos casos de covid-19 elevando para 672.572 o número de total de infeções no país.

A doença pandémica respiratória, que é provocada pelo novo coronavírus, já causou 16.667 mortos desde 27 de março, segundo as autoridades da saúde sul-africanas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,7 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 1.971 pessoas dos 75.542 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Ler mais
Recomendadas

Líderes europeus querem evitar a todo o custo novo encerramento de fronteiras, sublinha António Costa

No final do Conselho de Ministros extraordinário desta quinta-feira, António Costa explicou os compromissos e estratégias acertadas entre os líderes dos 27 estados-membros do bloco europeu, sublinhando que a responsabilidade de conter a pandemia e evitar o colapso dos sistemas de saúde é, agora, de cada um “individualmente”.

França vai gastar 15 mil milhões de euros com medidas de contenção para conter novo coronavírus

“Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda”, afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado ‘lay-off’), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.
Comentários