“Triste por terminar assim”. Neto de Churchill é um dos deputados desalinhados com Boris Johnson

Apesar das derrotas no Parlamento, Boris Johnson insiste numa proposta de eleições antecipadas já na segunda-feira. O objetivo é pressionar Corbyn, que admitiu eleições desde que não houvesse Brexit desordenado a 31 de outubro.

A voz embarga-se, e por momentos, parece que o deputado britânico Nicholas Soames não conseguirá evitar as lágrimas enquanto se dirige à Câmara dos Comuns. “Estou realmente muito triste por terminar assim”, diz. Soames não é um deputado qualquer. É neto de Winston Churchill, está no Parlamento há 37 anos, foi ministro da Defesa no Governo de John Major. Faz parte do grupo de 21 deputados “rebeldes” que nesta terça-feira foram expulsos do Partido Conservador por votarem a favor uma lei a impedir um Brexit desordenado a 31 de outubro, contra a orientação do líder Boris Johnson.

Para alguém cujo avô é um herói nacional que venceu a invasão nazi, juntar-se a um grupo de “rebeldes” que votou um diploma tão simbólico, apelidado pelos críticos como “Lei da Rendição”, nunca seria uma decisão tomada de ânimo leve. A tempestuosidade do líder conservador, que na semana passada solicitou a suspensão do Parlamento no que pareceu uma tentativa de evitar o bloqueio de um Brexit sem acordo, conseguiu-o. “É minha esperança mais fervorosa que esta casa redescubra o espírito de compromisso, humildade e compreensão que nos permitirá finalmente avançar com o trabalho vital no interesse de todo o país”, afirmou, no discurso em que justificou o seu desalinhamento com Johnson.

Artigo publicado na edição semanal de 6 de setembro, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

JP Morgan com lucro e receita maiores do que o esperado no 3° trimestre

“O JP Morgan Chase apresentou  uma receita recorde neste trimestre, demonstrando a força e a resiliência do nosso modelo de negócios, apesar de um cenário de taxa de juros mais desafiador”, segundo o CEO do maior banco de investimento do mundo.

Catalunha: Manifestante perde olho nos protestos. 131 manifestantes e 40 policias feridos

Após ser conhecida a sentença, os acessos ao aeroporto, metro e comboio estiveram interrompidos durante várias horas por causa dos manifestantes, tendo sido cancelados 50 ligações ferroviárias.

FMI corta previsões de crescimento mundial para 3% este ano e 3,4% no próximo

Tensões comerciais, incerteza geopolítica, desaceleração dos mercados emergentes e baixa produtividade pressionam economia mundial, diz o FMI. Instituição liderada por Georgieva vê economias dos EUA e da China a crescerem menos este ano: 2,4% e 6,1%, respetivamente.
Comentários