Agentes de navegação prevêem declínio crescente dos portos de Lisboa e Setúbal

Esta reação da Agepor surge na sequência do insucesso do processo negocial, na passada sexta-feira, dia 30 de novembro, entre os operadores portuários de Setúbal e o SEAL, mediado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Rui Minderico/Lusa

Os agentes nacionais de navegação prevêem um declínio crescente da atividades nos portos de Lisboa e de Setúbal devido às greves consecutivas dos estivadores e ao consequente afastamento das escalas, dos navios e dos armadores internacionais.

“Os problemas de Setúbal existiam e tinham que ser resolvidos, e foram, mas tudo continua porque o que interessa ao SEAL [Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística] é que a greve continue. Não para o interesse dos trabalhadores de Setúbal mas para o interesse da direção do SEAL”, acusa um comunicado hoje divulgado pela direção da Agepor- Associação dos Agentes de Navegação de Portugal.

Esta reação da Agepor surge na sequência do insucesso do processo negocial, na passada sexta-feira, dia 30 de novembro, entre os operadores portuários de Setúbal e o SEAL, mediado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

O mesmo documento prevê: “agora, vamos ouvir a ladainha da solidariedade que de tanto usada, com prejuízo dos trabalhadores de Lisboa, e agora também dos de Setúbal, já cansa”.

“É preciso lembrar que tudo isto foi despoletado pelo SEAL ao decretar mais uma greve em Lisboa, nos dias 27 e 28 de Julho, na semana seguinte a ter fechado um novo acordo com as empresas. Esse acordo era bom para os trabalhadores de Lisboa incluindo novas condições salariais. Resultado, acordo cancelado, trabalhadores sem aumento, de novo em greve, ie a receberem menos ordenado, A-ETPL [Associação-Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa] em risco de falir, etc…”, denuncia a Agepor.

Segundo a associação dos agentes de navegação, “os números não mentem” e, por isso, “o declínio do porto de Lisboa é uma evidência”.

“Os armadores não têm interesse em escalar portos que estão sempre em greve, que estão sempre em conflito”, constata a Agepor, vaticinando que “de primeiro porto nacional Lisboa já passou para terceiro” e que, “por este caminho há-de chegar a último”.

“E parece que Setúbal lhe pode seguir as pegadas. O que têm de comum? O SEAL!”, alerta a Agepor.

A AGEPOR volta a atacar o SEAL que, no seu entender e “usa e abusa dos trabalhadores de Lisboa e de Setúbal numa estratégia de poder e guerra contra outros sindicatos”, sublinhando que “as greves em Lisboa e em Setúbal não têm nada a ver com a defesa dos interesses dos trabalhadores”.

“Têm apenas a ver com o interesse do presidente do SEAL no seu desejo de protagonismo e poder. E com a sua política de greves permanentes. A sua atividade preferida é decretar greves quando devia ser a defesa do futuro dos trabalhadores. O desfecho das negociações em Setúbal, ou melhor, a falta de desfecho confirma isso mesmo”, defendem os agentes de navegação.

E a Agepor insiste: “o SEAL continua na sua política do passado para o declínio do futuro”.

“Os outros sindicatos percebem que a defesa dos interesses dos trabalhadores não se faz só para hoje, faz-se a olhar também para o futuro. E o futuro só existe com navios, com cargas… aquelas que o SEAL consegue afastar”, conclui o comunicado da Agepor.

 

Ler mais
Relacionadas

FNSTP acusa Sindicato dos Estivadores de usar os trabalhadores portuários de Setúbal para criar um conflito

Segundo a federação sindical, os trabalhadores portuários de Setúbal foram para o SEAL “um instrumento, um pretexto para criar um conflito e formas de luta laboral, que leve as autoridades e os operadores portuários a discutir com o SEAL, não as condições do porto de Setúbal, mas, sim, as dos portos de Sines e de Leixões”.

Sindicato responsabiliza empresas pela falha das negociações para acordo no Porto de Setúbal

“As negociações foram interrompidas, porque as empresas e o Governo quiseram misturar uma questão local de Setúbal com um problema nacional, relacionado com a perseguição aos trabalhadores filiados no SEAL – 50 no Porto de Leixões e 25 no Porto do Caniçal, na Madeira”, disse à agência Lusa o presidente do SEAL.

Estivadores: apesar das contratações, sindicato mantém greve em Setúbal

Foram contratados 56 trabalhadores para o Porto de Setúbal, mas o sindicato mantém a greve. A ministra do Mar fala em avanços nas negociações, mas as restantes partes envolvidas não parecem demonstrá-lo.
Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários