AHRESP alerta para atrasos no pagamento das verbas de incentivo à normalização da atividade empresarial (com áudio)

Em comunicado, a associação de restauração e hotelaria pede o pagamento “urgente” dos apoios financeiros para a retoma da atividade para empresas de forma a poderem cumprir com as suas obrigações.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alertou em comunicado, esta quinta-feira, para atrasos no pagamento das verbas do novo incentivo à normalização da atividade empresarial, afirmando que já solicitou ao Ministério do Trabalho Solidariedade e Segurança Social o “urgente pagamento de todas as candidaturas que já foram formalmente aprovadas e notificadas pelo IEFP”.

“Existem inúmeras queixas de atrasos nos pagamentos, referentes a candidaturas formalmente aprovadas no final de junho, início de julho, cujo prazo de pagamento por parte do IEFP é de 10 dias úteis. É, assim, da maior urgência que o IEFP regularize os pagamentos que são devidos, para que as nossas empresas tenham capacidade de cumprir com as suas obrigações, nomeadamente na manutenção dos seus postos de trabalho”, refere a associação em comunicado.

A AHRESP considera que as restrições ao funcionamento das atividades do sector “têm vindo a perdurar muito para além do que seria expectável, pelo que é imperioso que os poucos apoios que estão disponíveis cheguem de forma célere à tesouraria das empresas”.

 

Recomendadas

Endividamento das empresas privadas em máximos de 2014

Desde março de 2014 que o endividamento das empresas privadas não atingia um valor tão elevado. No final de julho, as empresas do comércio e das indústrias eram as que mais contribuíam para este endividamento.

Refinaria de Matosinhos. Galp ainda não apresentou programa de descontaminação de solos

Governo disse que este programa terá de ser apresentado juntamente com o projeto de desmantelamento para esta unidade industrial, o que ainda não aconteceu. Ministro do Ambiente recordou que o PDM local estipula que o local da refinaria deverá continuar a ser usado para fins industriais e não para imobiliário.

Companhias aéreas: o que têm feito para recuperar da crise que abalou o sector

Com o regresso das viagens com mais frequência e menos restrições, as transportadoras têm introduzido novas políticas e procurado estratégias para recuperar da crise em que o vírus as mergulhou.
Comentários