AHRESP exige redução do IVA para 10% e rejeita subida do salário mínimo para 650 euros

A descida do IVA para 10%, a recusa do aumento salarial para 650 euros e as 35 horas de trabalho semanais no setor privado. Ana Jacinto, secretária-geral da AHRESP, abordou estes temas na conversa com a Antena 1/Jornal de Negócios.

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), revelou em entrevista à Antena 1/Jornal de Negócios, que o setor da hotelaria e da restauração está a exigir ao Governo a redução do IVA para 10%.

“Nós gostaríamos muito, porque os nossos concorrentes mais diretos têm o IVA a 10%, como Espanha, França e Itália, e esse é um dos nossos objetivos”, disse Ana Jacinto.

“O IVA a 13% não está em todos os produtos, ainda temos alguns produtos que ficaram de fora da redução para 13%”, revelou a secretária-geral da AHRESP, além de sublinhar que “o Governo tem autorização legislativa que lhe permite, a qualquer momento, estender esta taxa intermédia aos produtos que ficaram de fora”.

Ana Jacinto admitiu que “a aposta na redução do IVA seria uma boa medida” e que essa hipóteses “está sempre em cima da mesa”, sendo que “a qualquer momento, o Governo pode fazer esse abaixamento”. “Estaremos aqui para lembrar essa necessidade”, sublinhou a secretária-geral da AHRESP.

A responsável destacou ainda sobre as 35 horas de trabalho semanais no setor privado, classificando como “mais um retrocesso”. “Num setor que tem laboração contínua, se reduzirmos o horário de trabalho temos de usar horas suplementares, porque não é possível de outra forma, são mais encargos e mais custos”, assumiu Ana Jacinto, afirmando que “estamos a provocar uma gestão mais difícil das unidades, e esperemos que não vá adiante”, sendo que se avançar “terá um impacto enorme para as nossas empresas, com custos enormíssimos com impacto na contratação de trabalhadores”.

A secretária-geral da AHRESP rejeitou ainda a subida do salário mínimo. “No salário mínimo estão apenas os estagiários e pouco mais, e portanto, todos eles ganham acima do salário mínimo”, afirmou. A responsável garantiu ainda que “salário mínimo tem influência na construção da tabela”, mas “o setor [hotelaria] acaba por ter uma tabela mais condensada porque depois não é possível fazer uma diferenciação séria entre cada uma das categorias, porque o valor já é muito alto”.

Ana Jacinto assume que a tabela salarial estabelecida já “tem um impacto enorme”. “Já fomos alertados várias vezes pela Comissão Europeia, com a própria produtividade das empresas e é preciso que isto tenha um equilíbrio porque senão metemos em causa as empresas e os trabalhadores”.

Questionada sobre se 650 euros para 2020 é demasiado alto para um salário mínimo, Ana Jacinto respondeu que “é preciso analisar a produtividade e os número que temos em cima da mesa”, mas a responsável “diria que sim”, pois “é um impacto muito grande, porque quem ganha esse valor no nosso setor é residual, pois a tabela é construída em cima desse valor”.

Ler mais
Recomendadas

Portugal emite mil milhões de euros em dívida a curto prazo à taxa mais negativa de sempre

Portugal fixou um novo mínimo histórico nas taxas de emissão de dívida a curto prazo. Na maturidade a 11 meses o Tesouro pagou -0,557% e a três meses -0,563%.

Trump cancela viagem à Dinamarca porque a Gronelândia não está à venda

Donald Trump ficou chateado por a primeira-ministra da Dinamarca anunciar que a ideia da compra da Gronelândia era “absurda” e que a maior ilha do mundo “não está à venda”.

Leite achocolatado, bolachas e cereais para crianças deixam de ter publicidade

A lei da publicidade vai apertar a partir do próximo mês de Outubro. As multas para os que infringirem a lei da publicidade ronda os 1.750 euros e 45 mil euros. Outros produtos que deixarão de ser publicitados a este público são também 90% dos cereais de pequeno almoço e 72% dos iogurtes que estão no mercado.
Comentários