AHRESP pede medidas específicas para reabertura de bares e discotecas

A associação acredita que “com a diminuição dos riscos associados à doença COVID-19 e a evolução do plano de vacinação, é imperativo permitir a retoma desta atividade”.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) pediu, esta terça-feira, que o Governo defina medidas específicas para a reabertura de bares e discotecas.

Em comunicado a AHRESP aponta que “devem ser estabelecidas, com urgência, medidas específicas para que os estabelecimentos de animação noturna possam reabrir sem colocar em causa a segurança e saúde dos seus clientes e colaboradores.

“Este setor, que foi forçado a encerrar há mais de um ano, continua sem ter quaisquer perspetivas de reabertura. Com a diminuição dos riscos associados à doença COVID-19 e a evolução do plano de vacinação, é imperativo permitir a retoma desta atividade”, refere a associação.

Bares e discotecas continuam sem perspetivas de abrir por serem considerados espaços com condições à propagação do vírus. Por sua vez, o presidente da Associação Nacional de Discotecas (AND), José Gouveia, defendeu, em entrevista à revista “Visão” a 6 de maio, que este é o momento para se abrirem os pequenos bares que dão para 30 a 40 pessoas.

“Quando estamos a falar de desporto ao ar livre, de concertos ao ar livre, de toda a parte cultural, espetáculos, não faz sentido não haver espaços de diversão noturna ao ar livre abertos”, afirmou José Gouveia.

Relacionadas

Turismo. Quebras de faturação estão acima de 90% em quase metade das empresas

Ao fim de um ano completo de pandemia por Covid-19 em Portugal, as empresas da restauração e similares e do alojamento turístico “atravessam o seu período mais difícil de sempre”, refere a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), presidida por Mário Pereira Gonçalves, da Versailles

“Apoios ao sector da restauração são tardios e ineficientes”, alerta secretária-geral da AHRESP

O Governo antecipou a reabertura dos restaurantes para o primeiro fim-de-semana de maio mas as dificuldades sentidas neste setor, onde se registam quebras homólogas superiores a 90%, não está a ter o devido acompanhamento por parte das autoridades, alerta Ana Jacinto, secretária-geral da AHRESP, nesta Fast Talk da JE TV.
Recomendadas

Administração da Altice reúne-se com sindicatos a 22 de junho para esclarecer futuro da empresa

Sindicatos querem conhecer o plano da empresa para os trabalhadores, bem como as notícias que dão conta da saída da Altice de Portugal. Mas, segundo o STPT, o foco será esclarecer um “plano organizacional integrado” cujos contornos as estruturas sindicais dizem desconhecer.

Fusões e aquisições de empresas em Portugal movimentaram mais de 3 mil milhões até maio

Apesar de em 60% das transações os valores não terem sido revelados, os números representam uma diminuição de 10% no total de transações e uma queda de 53% no capital mobilizado.

PremiumEuro2020 pode ser pontapé para relançar mercado publicitário das marcas

Cobertura mediática será maior do que em 2016, mas é pouco provável que se traduza em recordes de audiências, dizem especialistas. Ainda assim, as marcas deverão aproveitar a oportunidade.
Comentários