AIP. 80% das empresas não concordam com teletrabalho obrigatório imposto pelo Governo

A conclusão é de um estudo revelado esta segunda-feira pela Associação Industrial Portuguesa (AIP) que indica que a maioria das empresas só aceita o teletrabalho, desde que negociado e acordado entre empresas e trabalhadores, e que 15% rejeitam totalmente o trabalho remoto.

A maioria das empresas não concorda com o teletrabalho obrigatório e imposto por decreto do Governo até ao final do ano. A conclusão é de um estudo revelado esta segunda-feira pela Associação Industrial Portuguesa (AIP) que indica que 80% das empresas só aceitam o teletrabalho, desde que negociado e acordado entre empresas e trabalhadores, e 15% rejeitam totalmente o trabalho remoto.

O estudo da AIP, a que o Jornal Económico teve acesso, foi realizado entre 16 e 22 de abril e contou com respostas de 1.632 empresas. Dessas, apenas 5% concorda com o teletrabalho obrigatório e imposto por lei, sem a necessidade de acordo entre os trabalhadores e as empresas. As restantes entendem que o diploma do Governo sobre o teletrabalho, promulgado pelo Presidente da República no final de março, é abusivo.

Entre as empresas mais reticentes com o teletrabalho obrigatório até ao final do ano estão as grandes empresas (onde 100% dos inquiridos não concorda com a medida, ou só concorda se for negociada entre a empresa e o trabalhador), com destaque para o sector da agricultura e pescas (com 98% das empresas a rejeitar o teletrabalho obrigatório ou a aceitá-lo apenas quando negociado entre as partes).

Já as pequenas empresas (94%) são as que se mostram mais favoráveis ao teletrabalho obrigatório e imposto por lei, sobretudo no sector do alojamento e restauração (93%).

Desde meados de janeiro que o teletrabalho é obrigatório para as empresas com mais de 50 trabalhadores, cujas funções possam ser exercidas remotamente. Mesmo com o fim do estado de emergência, o teletrabalho continua a ser obrigatório em todos os concelhos até 16 de maio. A partir dessa data, vai continuar a ser obrigatório até ao final do ano, mas apenas nos concelhos que tenham maior risco de infeção devido à Covid-19.

O prolongamento do teletrabalho até ao final do ano tem gerado críticas entre os partidos da esquerda à direita, no Parlamento, e será um dos temas em discussão no debate desta quarta-feira, dia 5. Em cima da mesa estão também sete projetos de lei com vista a regulamentar o teletrabalho, tendo em conta que a legislação laboral atualmente em vigor conta já com mais de duas décadas e carece de ser atualizada.

Mais de 90% das empresas querem mais apoios ao emprego

O estudo da AIP revela também que 95% das empresas concorda com a continuidade do lay-off simplificado, para as empresas sujeitas ao dever de encerramento por decisão governamental. A percentagem sobe para 100% nas grandes empresas, com destaque para o sector dos transportes e armazenagem.

Já 97% das empresas concorda com a continuidade do Apoio Extraordinário à Retoma Progressiva da Atividade (AERP) em empresas em situação de crise empresarial, destacando-se o alojamento e restauração, com 99% das empresas do sector a apelar à prorrogação desse apoio.

Ler mais

Recomendadas

PremiumFFMS sinaliza lições da Grande Recessão para a saída da crise

Apesar das diferenças óbvias, existem semelhanças preocupantes entre as crises de 2008 a 2013 e a da Covid-19. Desde logo, o risco de aumento de empresas zombie preocupa Carlos Carreira, coordenador do estudo sobre a Grande Recessão.

Sonae IM investiu 200 milhões de euros em cinco anos em mais de 40 tecnológicas, revela presidente executivo

“Vimos que havia uma oportunidade interessante, uma área de crescimento forte” em empresas de tecnologia, onde se inclui “o benefício que traria aos negócios da Sonae na altura”, conta o presidente executivo, Eduardo Piedade.

PremiumDéfice revisto em alta enquanto dívida diminui ainda mais

Bruxelas espera défice superior face há três meses, mas dívida beneficiará do diferencial taxas de juro-crescimento.
Comentários