Airbus adapta o ritmo de produção ao atual contexto de mercado

A construtora aeronáutica prevê que o mercado de aeronaves comerciais só volte aos níveis pré-Covid entre 2023 e 2025.

REUTERS/Michael

A construtora aeronáutica Airbus anunciou que vai adaptar o ritmo de produção ao contexto do mercado, devido ao recrudescimento da pandemia de Covid-19.

Desta forma, os ritmos de produção serão mantidos a um nível reduzido, a produção dos modelos de corredor único terá um aumento progressivo e não haverá alterações na produção dos modelos de grande porte (‘widebody’)

A Airbus “está a adaptar o ritmo de produção das aeronaves da família A320 em resposta ao contexto atual do mercado”, revela um comunicado da empresa.

Segundo essa nota, “a nova cadência de produção dos A320 irá conduzir a um aumento gradual da produção, que passará dos atuais 40 aparelhos por mês para 43 no 3º trimestre de 2021 e para 45 no 4º trimestre”.

“Este novo plano de produção representa um aumento da produção mais lento do que o inicialmente previsto, que apontava para os 47 aviões mensais a partir de julho”, admitem os responsáveis da Airbus.

Ainda de acordo com este comunicado, “a produção dos A220 vai aumentar de quatro para cinco aviões por mês a partir do final do 1º trimestre de 2021, de acordo com o previsto inicialmente”.

Por seu turno, “a produção dos modelos ‘widebody’ deverá continuar estável e com o ritmo atual de cinco unidades A350 e duas A330”.

“Esta decisão adia o potencial aumento de produção do A350 para mais tarde”, assegura a construtora aeronáutica.

O mesmo documento acrescenta que “a Airbus continua a monitorizar atentamente a evolução do mercado”, sublinhando que “a revisão da cadência de produção permite à Airbus preservar a capacidade de responder à procura dos clientes e, ao mesmo tempo, adaptar-se às mudanças e evoluções do mercado”.

“A Airbus prevê que o mercado de aeronaves comerciais volte a níveis pré-Covid entre 2023 e 2025”, conclui o comunicado em questão.

Ler mais
Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários