Ajudas aos bancos já custaram 1.800 euros a cada português

Entre 2008 e 2018, os bancos já custaram aos portugueses um total de 17,200 mil milhões de euros.

As ajudas ao sistema financeiro português já custaram aos contribuintes cerca de 17,200 mil milhões de euros entre 2008 e 2018. E com o pedido de 1,149 mil milhões de euros do Novo Banco ao Fundo de Resolução, este ano a fatura pode chegar aos 18,350 mil milhões, uma média de 1.800 por português, escreve o ”Correio da Manhã”, esta segunda feira.

Em 2018, os contribuintes voltaram a ser chamados a ajudar a banca, com um reforço de 450 milhões ao Fundo de Resolução para a capitalização do Novo Banco, elevando o montante das ajudas para 17,200 mil milhões. Para este ano, o Governo inscreveu no Orçamento do Estado uma despesa de 850 milhões, mas não é certo que o valor não suba, já que o Novo Banco vai pedir ao Fundo de Resolução – financiado pelos bancos e pelo Estado – 1,149 mil milhões de euros.

Recomendadas

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.

Empresas vão receber 150 milhões de euros do Novo Banco nos próximos dias ao abrigo da linha capitalizar Covid-19

O banco liderado por António Ramalho referiu, em comunicado, que os primeiros 150 milhões de euros que serão concedidos às empresas que são clientes da instituição financeira já têm os respectivos processos “em fase final de assinatura digital”.

Fidelidade vai manter serviço de esclarecimento jurídico após críticas de advogados

O Conselho Regional da Ordem dos Advogados disse que a oferta era ilícita, mas a companhia de seguros considera a posição precipitada e esclarece que se insere “no âmbito da cobertura de proteção jurídica disponibilizada por inúmeras seguradoras, em Portugal e no estrangeiro, a milhões de clientes”.
Comentários