PremiumAjustes na legislação laboral para teletrabalho

A crise de saúde pública trouxe a necessidade de novas formas e organização de trabalho, em que a imposição do teletrabalho foi a mais notória.

A crise de saúde pública trouxe a necessidade de novas formas e organização de trabalho, em que a imposição do teletrabalho foi a mais notória. Com a manutenção dos constrangimentos de saúde pública, exigiu-se a continuidade do recurso a essas novas formas de trabalho, pretendendo agora os sindicatos que o recurso ao teletrabalho respeite a lei e a negociação coletiva.

O ajustamento da legislação laboral ao teletrabalho, além do novo lay-off, deverão ser alguns dos temas a discutir na reunião da concertação social marcada para a próxima segunda-feira. O Conselho de Ministros deverá ainda hoje aprovar as regras para a terceira fase do desconfinamento a partir de 1 de junho. Uma das novidades é que o teletrabalho deixará de ser obrigatório no país a partir do início da próxima semana – ainda que com algumas exceções, como pessoas que integram grupos de risco e pais com filhos na escola.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários