Alberto João Jardim diz que há solução para Portugal com uma nova constituição

O antigo presidente alertou para a instabilidade provocada pela constantes greves em setores como os transportes e a saúde e para os problemas que afectam a justiça.

Helder Santos

O antigo presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, diz que há solução para Portugal, desde que este não continue amarrado à constituição de 1976, lembrando que sempre foi contra este regime.

Alberto João Jardim falava na apresentação do seu primeiro romance, intitulado “diz Não!”, onde alertou para a instabilidade provocada pelas constantes greves em diversos setores, como transportes e saúde, e para os “problemas” na área da Justiça e da segurança que afetam atualmente o país.

“Há solução democrática para Portugal sem ser preciso o que normalmente nestas circunstâncias aparece, que são Bolsonaros à direita ou Maduros à esquerda”, referiu, indicando que essa é a saída que propõe no romance, ou seja, uma nova Constituição e um novo regime para o país.

O livro, que foi apresentado no Museu da Imprensa, em Câmara de Lobos, zona oeste da Madeira, narra a história de cinco famílias madeirenses desde a época da revolução de 1974 até um tempo futuro, situado algures no final dos anos 2020, em que um movimento político nacional designado Frente Nova República (FNR) vence as eleições no arquipélago e, mais tarde, elege também um Presidente da República, que decide referendar a Constituição.

“diz Não!” é o slogan da FNR face ao situacionismo e a atual Constituição.

“É só ficção”, assegurou Alberto João Jardim, adiantando que escreveu a pensar “no momento futuro”.

“Como se diz ali, primeiro, Portugal tem solução, segundo, pode dar para o torto se a Madeira entrar em esquemas de instabilidade”, acrescentou.

Este é o segundo livro do ex-presidente do Governo Regional da Madeira, depois de “Relatório de Combate”, uma obra autobiográfica.

“Porquê um romance? Porque a gente chega a uma certa idade, já não tem tantas responsabilidades e tem de encontrar maneira de ocupar o tempo útil e fazer o que gosta. Eu gosto de escrever. Comecei a magicar e fiz um romance. E dá-me um gozo aos 75 anos fazer um romance”, explicou.

Ler mais
Recomendadas

Schindler equipa Savoy Palace com os “mais rápidos” elevadores instalados pela empresa na Madeira

Os elevadores serão os mais rápidos instalados pela empresa na Madeira, diz a Schindler. O equipamento inclui tecnologia que permite melhorar o tempo de funcionamento e oferecer melhor comodidade.

Pedro Costa Neves põe possibilidade de “equilíbrio psíquico” que se perturbou de Rafael Macedo

“Acho lógico que haja uma suspensão para se chegar ao cerne da questão”, pois “a verdade dele pode não ser a verdade real”, diz o médico do Hospital da Luz.

Funchal recebe Fórum Regional de Autarquias Participativas

O objectivo do evento passa por criar espaços de debate e reflexão sobre democracia participativa e cidadã.
Comentários