Alemanha: CDU perdeu no distrito que elegeu Angela Merkel desde 1990

O SPD parece estar a alargar aos poucos a sua diferença para a CDU, podendo vir a formar o próximo governo. Olaf Scholz pode estar a pensar noutras coligações que não contemplem a CDU, mas o partido de Merkel assegura que a estabilidade passa pelos conservadores.

Christian Marquardt/EPA

A Alemanha está dividida em 299 distritos eleitorais e Angela Merkel foi eleita desde 1990 pelo distrito número 15. Ora, este domingo, a vitória nesse distrito (Merkel já não se candidatava, recorde-se) foi ganho por Anna Kassautzki, representante do SPD.

Entretanto, segundo adiantam os jornais alemães, o SPD parece estar a conseguir consolidar a vitória nas eleições federais deste domingo, à medida a que as contagens vão progredindo. Mas é ainda cedo para que qualquer dos dois partidos que seguem à frente, SPD e CDU, possa assumir a vitória.

As declarações dos candidatos partidários à chancelaria de cada um dos partidos parecem estar a divergir. O social-democrata Olaf Scholz já afirmou que os alemães disseram que não querem continuar a ser liderados pelos democratas-cristãos e que, nesse contexto, não está certo de que deva repetir a grande coligação centrista que dirigiu o país nos últimos quatro anos. Aparentemente, Scholz faz mais fé noutras coligações – das várias que podem servir para os social-democratas liderarem com uma maioria absoluta confortável.

Do outro lado, o democrata-cristão Armin Laschet faz precisamente o contrário e afirmou publicamente que a estabilidade do país não será a mesma se a CDU deixar de fazer parte do elenco governativo. Ainda sem admitir a possibilidade de ter perdido as eleições, Laschet afirmou que “a modernização do país e da sua economia precisa da CDU”.

“Faremos de tudo para formar um governo de liderança conservadora, porque a Alemanha precisa de uma coligação voltada para o futuro, que modernize nosso país. Não se trata de obter uma maioria aritmética, mas de reunir diferentes posições políticas para formar uma coligação. Estou pronto para isso”, disse.

Mas os analistas não lhe deram tréguas: nestas palavras, descobriram uma ténue evidência de que Laschet já percebeu que não vencerá as eleições deste domingo e já está a fazer tudo para não sair da órbita do poder. O problema é que a aritmética é difícil de enganar: o SPD pode não ter de recorrer à CDU para formar um governo de coligação com maioria absoluta em termos de apoio parlamentar.

Esta é, portanto, a primeira grande dúvida da noite – ou talvez a segundo, dado que ainda não é certo qual o partido que ganhou as eleições: irá ou não a CDU fazer parte do próximo executivo?

Relacionadas

Liberais lançam ideia inédita para decidir novo governo da Alemanha

Enquanto esperam por saber que vencerá as eleições deste domingo, os alemães estão a assistir ao avolumar de alternativas de governo. A mais inesperada vem do FDP, que sugere negociações com os Verdes para ambos os partidos decidirem se fazem uma aliança com sociais-democratas ou democrata-cristãos.

Alemanha: quais são as coligações que chegam ao número mágico de 366 lugares?

Os alemães já se habituaram a viverem sob coligações de geometria variável. Perante eles, estão várias possibilidades para a formação de um governo com maioria absoluta, que se consegue a partir dos 366 lugares dos 730 disponíveis no Bundestag. Só então Angela Merkel poderá abandonar o poder.

Alemanha: Primeiras previsões deixam CDU e SPD empatados

Pelas projeções iniciais, SPD e CDU estarão próximos na eleição federal alemã. Verdes ficam aquém das expectativas, mas conseguem passar a ser o terceiro partido do parlamento, à frente dos liberais do FDP.
Recomendadas

Eurodeputados querem que União Europeia aumente o apoio para a comunicação social (com áudio)

Parlamento Europeu quer um fundo permanente para os meios de comunicação da União Europeia, com o objectivo de salvaguardar a independência financeira e política dos jornalistas e do jornalismo europeu.

Parlamento Europeu quer criação de um estatuto europeu do artista

Eurodeputados instam a Comissão Europeia a criar um quadro europeu para garanta condições de trabalho e normas mínimas nos setores culturais e criativos comuns a todos os Estados-Membros.

Cabo Verde, um exemplo bem sucedido de democracia em África. Hoje há “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Tudo para ver esta semana em ‘A Arte da Guerra’, da plataforma multimédia JE TV, e para ouvir em plataformas de streaming como o Spotify, num programa conduzido pelo jornalista António Freitas de Sousa e com os comentários do Embaixador Francisco Seixas da Costa.
Comentários