Alemanha entra em recessão: PIB registou a maior queda desde a crise económica em 2008

No primeiro trimestre do ano o Produto Interno Bruto (PIB) alemão caiu 2,2% em comparação com os três meses anteriores, quando verificou uma descida de 0,1%.

A Alemanha entrou em recessão depois de registar uma queda de 2,2% no primeiro trimestre de 2020 do seu Produto Interno Bruto (PIB), em comparação com os três meses anteriores, onde tinha verificado uma descida de 0,1%. Esta quebra é a maior desde a crise económica de 2008, segundo informa a agência “Reuters”, citando o gabinete de estatística alemão Destatis esta segunda-feira, 25 de maio.

O Destatis revela que a queda registada no primeiro trimestre do ano face ao trimestre anterior só é superada pela ocorrida no primeiro trimestre de 2009, quando o PIB  germânico caiu 4, 7%. “Embora a disseminação do coronavírus não tenha afetado significativamente o desempenho económico em janeiro e fevereiro, o impacto da pandemia foi bastante severo em março”, explica a entidade.

Em relação aos três primeiros meses de 2019, o PIB da Alemanha desceu 1,9%, após o crescimento de 0,2% ano a ano registado entre outubro e dezembro de 2019. Nos primeiros três meses de 2020, o consumo verificou uma queda substancial de 2,2% em relação ao trimestre anterior, com uma queda de 3,2% nos gastos das famílias, enquanto os gastos públicos aumentaram 0,2%.

Já o investimento empresarial apresentou uma queda de 0,2% no investimento na formação de capital bruto fixo, em contraste com o aumento de 1,6% no primeiro trimestre de 2019. Também as exportações e as importações contribuíram de forma negativa para a economia alemã, com descidas de 3,1% e 1,6%, respetivamente.

Recomendadas

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório

Exportações de vestuário caem 43% em maio

A tendência de queda manteve-se em maio, com a indústria de vestuário a ter uma queda de 43% de envios para o exterior. Desde o início do ano, as empresas do setor perderam mais de 300 milhões de euros em exportações.

Vice-presidente da Comissão Europeia concorda com preocupações da CIP

Carta enviada em abril por António Saraiva a Ursula von der Leyen obteve resposta do seu “vice”. Valdis Dombrovskis defende “que a Europa deve estar equipada com os instrumentos necessários para enfrentar as consequências económicas e sociais da crise”.
Comentários