PremiumAlemanha insiste com Israel para travar anexações

Netanyahu quer apressar plano enquanto tem total apoio da Casa Branca, que pode desaparecer depois das presidenciais norte-americanas.

Heiko Maas, ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha – país que presidirá à União Europeia a partir de 1 de julho – transmitiu uma forte mensagem a Israel para que o país suspenda os planos de anexar 30% da Cisjordânia a partir do próximo mês. Berlim – que nessa altura presidirá também ao Conselho de Segurança das Nações Unidas – explicou a Telavive que tal anexação “é incompatível com o direito internacional”.

A mensagem é ainda mais forte dado vir da Alemanha, que é dos principais aliados de Israel, mas também defende o estrito cumprimento do direito internacional, expressando uma posição geral dos 27, com a exceção da Hungria.
A anunciada anexação dos colonatos do vale do Jordão na Cisjordânia deixa mais distante uma solução para a região, ao mesmo tempo que mostra como o regime do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu quer ganhar tempo: não é claro que a partir de 3 de novembro, dia das presidenciais norte-americanas, os israelitas continuem a contar com a benevolência de Donald Trump para violar o direito internacional e diversas resoluções das Nações Unidas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPortugal vai triplicar verbas para ação climática

Economia circular, mobilidade elétrica, telemedicina e aproveitamento da água estiveram em debate na cimeira das cidades do futuro.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

PremiumFrancisco Ferreira: “A pandemia reforça e aumenta as desigualdades”

Uma diminuição das desigualdades só seria possível com políticas muito mais ambiciosas, diz o diretor do International Inequalities Institute. Para o brasileiro Francisco Ferreira, é muito difícil separar o que é mérito do que é o resultado da herança.
Comentários