Alemanha: quais são as coligações que chegam ao número mágico de 366 lugares?

Os alemães já se habituaram a viverem sob coligações de geometria variável. Perante eles, estão várias possibilidades para a formação de um governo com maioria absoluta, que se consegue a partir dos 366 lugares dos 730 disponíveis no Bundestag. Só então Angela Merkel poderá abandonar o poder.

Perante as incertezas que acompanharam todo o período de campanha eleitoral e que foram transferidas para o dia das eleições, os alemães tiveram que se habituar a fazer contas políticas – uma necessidade que, dizem, os apoquenta. Num parlamento com 730 lugares, o número mágico é 366, mais um do que a metade dos lugares e a partir do qual uma coligação passa a contar com maioria absoluta.

Se há alguma certeza nas eleições germânicas deste domingo, é que ninguém terá maioria absoluta – o que não é propriamente uma novidade – longe disso. Partindo das projeções da televisão ZDF – que ainda carece de certeza real – o social-democrata SPD fica à frente, com 211 lugares, a CDU em segundo, com 200, e os Verdes conseguirão 121 lugares, seguidos pelos liberais do FDP (96), a extrema-direita da AfD (85) e a extrema-esquerda do Die Linke (41), pelo que a geometria variável das coligações abre as mais diversas portas.

A primeira delas seria uma repetição da coligação que esteve até este domingo no poder: CDU, SPD e FDP somariam 507 lugares. Esta geometria só seria vencida, em termos de representação, com a substituição dos liberais pelos Verdes: seriam 532 lugares parlamentares. Os dois maiores partidos juntos conseguiram agregar 411 lugares.

Mas há outras possibilidades. Assim, o SPD, os Verdes e o FDP somariam 428. Se for a CDU a ganhar e se juntar aos Verdes e as liberais, conseguirá 417 lugares. Mas há também a possibilidade de uma coligação apenas à esquerda: SPD, Verdes e Die Linke somam 373 lugares.

Nenhum cenário leva em consideração a extrema-direita da AfD – mas é necessário colocar a hipótese: e se o cordão sanitário estabelecido em sua volta (necessariamente por parte da CDU) se romper? Algumas contas teriam de ser refeitas – e Angela Merkel iria para casa profundamente deprimida.

Nos próximos dias, estas contas serão repetidamente revisitadas. Mas, antes disso, é preciso que os alemães saibam a qual dos partidos, SPD ou CDU, cabe a função de abrir as ‘hostilidades’ e convidar os outros para se sentarem à mesa.

Para já, e no meio da confusão germânica, tanto o candidato do SPD Olaf Scholz como da CDU, Armin Laschet, têm assegurado, segundo a imprensa alemã, acreditarem que serão chamados à condição de chanceler. “Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para formar um governo federal sob a liderança da União”, disse Laschet, depois de Scholz ter afirmado que “é claro que estou feliz com o resultado das eleições, é um grande sucesso Muitos eleitores deixaram claro que desejam uma mudança de governo”. Um deles acabará a noite bastante maldisposto.

Relacionadas

Alemanha: Primeiras previsões deixam CDU e SPD empatados

Pelas projeções iniciais, SPD e CDU estarão próximos na eleição federal alemã. Verdes ficam aquém das expectativas, mas conseguem passar a ser o terceiro partido do parlamento, à frente dos liberais do FDP.

Costa acredita que Angela Merkel aprendeu lição com a crise das dívidas soberanas

Costa acredita que a lição aprendida por Merkel durante a crise das dívidas soberanas serviu-lhe de lição para a crise económica provocada pela pandemia da Covid-19 e no desenho do plano de ajuda que a União Europeia preparou para os seus estados-membros.

Eleições na Alemanha: quem são os candidatos à sucessão de Angela Merkel?

Não há memória de tanta agitação entre os germânicos: em poucos meses, a liderança das sondagens foi ocupada por três dirigentes partidários diferentes. Na reta final, e depois de ter ultrapassado os Verdes, a CDU (de Angela Merkel) deixou-se ultrapassar pelo SPD – que entra a liderar no dia das eleições.
Recomendadas

Eurodeputados querem que União Europeia aumente o apoio para a comunicação social

Parlamento Europeu quer um fundo permanente para os meios de comunicação da União Europeia, com o objectivo de salvaguardar a independência financeira e política dos jornalistas e do jornalismo europeu.

Parlamento Europeu quer criação de um estatuto europeu do artista

Eurodeputados instam a Comissão Europeia a criar um quadro europeu para garanta condições de trabalho e normas mínimas nos setores culturais e criativos comuns a todos os Estados-Membros.

Cabo Verde, um exemplo bem sucedido de democracia em África. Hoje há “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Tudo para ver esta semana em ‘A Arte da Guerra’, da plataforma multimédia JE TV, e para ouvir em plataformas de streaming como o Spotify, num programa conduzido pelo jornalista António Freitas de Sousa e com os comentários do Embaixador Francisco Seixas da Costa.
Comentários