Alemanha vai investir 40 mil milhões na economia sustentável

O executivo de Angela Merkel está a finalizar um plano para apostar na economia verde. Os comentadores descobrem ali sintomas precoces de eleitoralismo.

O governo alemão de Angela Merkel tem previsto para esta sexta-feira apresentar um pacote ambicioso e multimilionário de 40 mil milhões de euros para medidas ambientais com as quais Berlim pretende marcar um antes e um depois na luta contra a crise ambiental. A decisão de Merkel pretende lançar o país que na luta contra as mudanças climáticas e aponta para a tentativa de cumprir os compromissos internacionais para reduzir a pegada ecológica da sua economia.

Transporte, agricultura e habitação são apenas alguns dos setores que serão afetados por uma série de medidas que são agregadas naquilo que é provavelmente a grande iniciativa política desta legislatura, a última do chanceler Merkel.

O plano parece também, por outro lado, uma forma de afastar o fantasma da recessão – que tem vindo a cair sobre a economia alemã sob a forma de crescimentos trimestrais muito pobres.

É neste quadro que a grande coligação de centro (CDU/CSU e SPD), cujo parto foi extremamente difícil e obrigou a um enorme ‘jogo de cintura’ por parte de todos os partidos envolvidos, joga o seu legado para tentar sacudir os sintomas de crise que se vão avolumando – principalmente desde que Merkel fez saber que não continuaria à frente do executivo.

No final do ano, os parceiros da coligação têm previsto fazerem um balanço do percurso comum e decidirem se vale a pena avançarem juntos. O jornal ‘Der Spiegel’ dava o mote em termos de análise: “a coligação luta não apenas pelo clima, mas principalmente pela sua própria sobrevivência”.

O documento pode ser vital para um governo que precisa de demonstrar que funciona e é capaz de produzir resultados tangíveis num país onde a crise climática se tornou a primeira preocupação dos cidadãos. Aliás, o plano pretende também responder a essa evidência, que ficou bem patente nas eleições europeias de maio passado, quando o Partido Verde alemão conseguiu um excelente resultado – no que foi acompanhado por partidos ‘irmãos’ de outras geografias.

 

A Alemanha é o sexto país do mundo em termos de produção de CO2 para a atmosfera e já reconheceu que será com muita dificuldade que atingirá o compromisso europeu de reduzir essas emissões em 55% até 2030.

Aumentar o preço dos vôos domésticos e reduzir os bilhetes de comboio e de outros transporte público menos poluentes é uma das medidas que devem estar incluídas no pacote, segundo avança a imprensa alemã. Taxar os carros mais poluentes e incentivar os elétricos, proibir o aquecimento com diesel a partir de 2030 e adaptar a agricultura às práticas de baixas emissões, são outras medidas que não devem deixar de estar presentes.

Ler mais
Relacionadas

Responsável da ONU diz que indústrias de milhões vão mudar com Cimeira de Ação Climática

A secretária-geral adjunta das Nações Unidas (ONU), Amina Mohammed, estimou hoje que indústrias mundiais de milhares de milhões de dólares mudem com os novos estilos de vida que vão ser encontrados na Cimeira Climática da próxima semana.

Subida do nível dos oceanos. Nova Iorque tem plano de oito mil milhões para proteger Manhattan

As grandes metrópoles como Nova Iorque, as ilhas canadianas que são banhadas pelo Oceano Atlântico e Holanda são algumas das áreas que já sentem alguns efeitos das alterações climáticas, sendo que existem pessoas deslocadas devido ao aumento do nível do mar.
Recomendadas

Rendas congeladas por cinco anos em Berlim para combater ‘boom’ imobiliário

O acordo entre os sociais-democratas do SPD, os Verdes e o Partido de Esquerda (Die Linke) permitem que o presidente da Câmara de Berlim, Michael Mueller, coloque o plano em vigor já no primeiro trimestre de 2020, após aprovação autárquica.

Restos mortais do ditador espanhol Francisco Franco trasladados na quinta-feira

Os restos mortais do ditador espanhol Francisco Franco serão trasladados na quinta-feira da Basílica do Vale dos Caídos, em Madrid, para o cemitério Pardo, nos subúrbios da capital espanhola, anunciou hoje o Governo.

Equipa de resgate procura quatro espeleólogos portugueses em gruta espanhola

Uma equipa de resgate foi acionada para localizar quatro espeleólogos portugueses que estão desde sábado na gruta de Cueto-Coventosa, em Espanha, com os trabalhos de socorro a serem dificultados pelo aumento do nível da água.
Comentários