Alemanha volta a apertar o cerco ao Facebook. Desta vez por causa da “publicidade direcionada”

Andreas Mundt, chefe da principal agência antitruste da Alemanha (Federal Cartel Office), acredita que a rede social pode vir a ser proibida de processar os dados de terceiros, caso as autoridades concluam que a multinacional abusou da sua posição dominante no mercado.

A Alemanha vai apertar o cerco à forma como o Facebook absorve os dados pessoais de milhões de utilizadores. Andreas Mundt, chefe da principal agência antitrust da Alemanha (Federal Cartel Office), acredita que a rede social pode vir a ser proibida de processar os dados de terceiros, caso as autoridades concluam que a multinacional abusou da sua posição dominante no mercado.

“Nós [a Alemanha] estamos a abrir caminho em relação a este caso”, afirmou Andreas Mundt. “Estamos a examinar de perto a conexão entre o domínio do mercado e um possível abuso na recolha de dados”, disse.

O Federal Cartel Office acredita que o Facebook ganha dinheiro com a venda de dados pessoais dos seus utilizadores. A investigação das autoridades alemãs vai centrar-se na forma como o Facebook permite que os anunciantes segmentem os seus anúncios publicitários, tendo por base informações pessoais sobre o que os utilizadores gostam e aquilo que pesquisam online.

Em dezembro do ano passado, o Bundeskartellamt, entidade reguladora da concorrência na Alemanha, chegou à conclusão de que a empresa Facebook abusa da sua posição dominante no mercado, com o seu modelo de “publicidade direcionada”.

Paralelamente, este ano entrou em vigor uma nova lei sobre a divulgação de discursos de ódio no Facebook. A lei, conhecida como NetzDG ou Network Enforcement Act, prevê a remoção de todo o tipo de publicações “claramente ilegais”, como ameaças de violência, calúnias e discursos de incitamento ao ódio contra terceiros.

Ao abrigo desta nova lei, que entrou em vigor em outubro, este tipo de mensagens deve ser apagado dentro de 24 horas e os utilizadores devem ser notificados da infração, podendo arriscar uma multa que pode ir até aos 50 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

PremiumBloco de Esquerda questiona Novo Banco no Eurobic

Bloquistas perguntam ao Ministério das Finanças sobre a operação e o seu impacto.

Leia aqui a primeira edição do Quem é quem no sector financeiro em Portugal em 2021

A primeira edição do Quem é Quem no Sector Financeiro em Portugal do JE inclui entrevista ao presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Fernando Faria de Oliveira, e as análises de Paulo Macedo, presidente da CGD, de Miguel Maya, presidente do BCP, de António Ramalho, presidente do Novo Banco, de Pedro Castro Almeida, presidente do Santander Totta, de João Pedro Oliveira e Costa, presidente do BPI, de Pedro Leitão, presidente do Montepio, Alberto Ramos, presidente do Bankinter Portugal e de Pedro Pimenta do Abanca Portugal.
Comentários