PremiumAlfredo, o algoritmo que descobre o valor da sua casa

Chama-se Alfredo IA a empresa que trabalhará em parceria com o Novo Banco para, de forma mais certeira, atribuir um valor a cada imóvel sem utilizar apenas o preço médio de venda por metro quadrado.

Os quatro engenheiros – Gonçalo Abreu, Guilherme Farinha, Mário Gamas e João Januário – e ex-alunos do Instituto Superior Técnico sentiram que havia um desajustamento na oferta tecnológica para o setor imobiliário nacional e decidiram arregaçar as mangas e criar a startup Alfredo AI. Com apenas um ano de vida, a empresa portuguesa irá apoiar o Novo Banco a conhecer melhor o valor dos imóveis que transaciona, através de uma tecnologia 100% desenvolvida por si e baseada em machine learning. Com esta ferramenta, todos os dados (estruturados e não estruturados) acerca dos edifícios e daquilo que os rodeia são processados com a ajuda de tecnologia.

“Existe a ideia de que o mercado imobiliário e a tecnologia não combinam. Com os avanços a que assistimos ultimamente, acreditamos que esta visão está desfasada da realidade. Há duas coisas centrais na tecnologia que o Alfredo usa para trazer estrutura ao mercado imobiliário: machine learning (aprendizagem máquina) e sistemas distribuídos”, disse o CEO, Gonçalo Abreu, ao Jornal Económico (JE). “O nome é um antropomorfismo. No nosso caso, é uma máquina que ajuda qualquer stakeholder do mercado imobiliário, automatizando o acesso e tratamento de informação”, referiu.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.

Banco CTT vai recolher e reciclar cartões de débito inutilizados através de envelope RSF

“O Banco CTT tem neste momento uma base com mais de 600 mil clientes, pelo que acreditamos que juntarmo-nos a este movimento terá um impacto a prazo relevante na fomentação de hábitos de sustentabilidade ecológicos”, afirma no comunicado Luís Pereira Coutinho, Presidente Executivo do Banco CTT.
Comentários