PremiumAlfredo, o algoritmo que descobre o valor da sua casa

Chama-se Alfredo IA a empresa que trabalhará em parceria com o Novo Banco para, de forma mais certeira, atribuir um valor a cada imóvel sem utilizar apenas o preço médio de venda por metro quadrado.

Os quatro engenheiros – Gonçalo Abreu, Guilherme Farinha, Mário Gamas e João Januário – e ex-alunos do Instituto Superior Técnico sentiram que havia um desajustamento na oferta tecnológica para o setor imobiliário nacional e decidiram arregaçar as mangas e criar a startup Alfredo AI. Com apenas um ano de vida, a empresa portuguesa irá apoiar o Novo Banco a conhecer melhor o valor dos imóveis que transaciona, através de uma tecnologia 100% desenvolvida por si e baseada em machine learning. Com esta ferramenta, todos os dados (estruturados e não estruturados) acerca dos edifícios e daquilo que os rodeia são processados com a ajuda de tecnologia.

“Existe a ideia de que o mercado imobiliário e a tecnologia não combinam. Com os avanços a que assistimos ultimamente, acreditamos que esta visão está desfasada da realidade. Há duas coisas centrais na tecnologia que o Alfredo usa para trazer estrutura ao mercado imobiliário: machine learning (aprendizagem máquina) e sistemas distribuídos”, disse o CEO, Gonçalo Abreu, ao Jornal Económico (JE). “O nome é um antropomorfismo. No nosso caso, é uma máquina que ajuda qualquer stakeholder do mercado imobiliário, automatizando o acesso e tratamento de informação”, referiu.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CEO da JP Morgan diz que criação de imposto sobre fortuna é “quase impossível”

“Não sou contra impostos mais elevados para os ricos. Mas acho que fazê-lo através dos rendimentos, em vez de calcular a riqueza, torna-se extremamente complicado, legalista, burocrático e regulatório, e as pessoas encontram um milhão de formas para escapar a essa situação”, explica Jamie Dimon.

Sindicatos bancários alertam Banco Montepio de que não vão tolerar pressões aos trabalhadores

“O SNQTB, SBN e SIB irão analisar com detalhe o plano apresentado pelo presidente da Comissão Executiva do Banco Montepio e alertam que não irão tolerar qualquer forma de pressão junto dos trabalhadores para que aceitem reformas antecipadas ou rescisões por mútuo acordo, se essa não for a sua livre vontade”, pode ler-se no comunicado.

Montepio confirma a sindicatos saída de 800 trabalhadores até 2022

Sindicatos dos bancários estão reunidos com administração do banco, depois de terem recebido ontem com surpresa a notícia de uma eventual dispensa de centenas de trabalhadores. Presidente executivo confirmou que plano de reestruturação prevê saída de 800 trabalhadores até 2022. Sindicatos dizem que “será algo de uma magnitude nunca vista na Europa”.
Comentários