Algarve e aeroporto de Lisboa vão ter abastecimento noturno

Às 18 horas desta terça-feira, o aeroporto de Lisboa tinha uma capacidade de 54,5% para abastecimento de combustível aos aviões, enquanto o de Faro tinha esse patamar assegurado em 94%.

A região do Algarve e o aeroporto de Lisboa vão obrigar o Governo a mobilizar um terceiro turno de abastecimento de combustíveis por camião esta terça-feira noite, dia 13 de agosto, segundo dia da greve dos camionistas de matérias perigosas em Portugal.

Segundo o ministro do Ambiente e da Transição Energética, irá ser feito “um terceiro turno ainda hoje à noite, apenas com forças de segurança e as Forças Armadas, com oito equipas da refinaria de Sines para o Algarve, com o objetivo de reforçar os stocks“.

De acordo com José Pedro Matos Fernandes, a melhoria dos números de abastecimento que ocorreu na região algarvia “ainda não é suficiente”, ou seja, a falha verificada ontem “não foi suprida com o abastecimento de hoje”.

Os dados divulgados pelo ministro do Ambiente indicam que ontem, pelas 18 horas, nos postos de combustível incluídos na REPA (Rede Estratégica de Postos de Abastecimento), o nível de gasóleo armazenado passou de 38% para 51%, enquanto o nível de gasolina subiu de 46% para 49%.

Especificamente no Algarve, o ponto da situação apresentado pelo governante é mais periclitante: às 18 horas de hoje o nível de gasóleo na rede REPA era de 27% (22% às 18 horas de ontem), enquanto na gasolina era de 29% (23% no período homólogo de ontem).

“Estamos ainda a fazer a avaliação sobre a possibilidade de fazer um terceiro turno à noite para o abastecimento ao aeroporto de Lisboa, onde, manifestamente, ontem não foram cumpridos os serviços mínimos”, revelou Matos Fernandes, na conferência de imprensa para fazer o ponto da situação.

De acordo com o ministro do Ambiente, ontem estavam previstas 119 cargas de combustível por transporte rodoviário para o aeroporto da capital, mas só se efetuaram 44. “Hoje, foram efetuados todos os serviços previstos, mas provavelmente, quando chegarmos ao final do dia de hoje, teremos a necessidade de fazer um terceiro turno”, de abastecimento de combustível do aeroporto da capital por transporte rodoviário a partir de Aveiras de Cima.

Matos Fernandes adiantou ainda que, às 18 horas de hoje, o aeroporto de Lisboa se encontrava com um nível de capacidade combustível para os aviões na casa dos 54,5%, enquanto o aeroporto de Faro tinha uma capacidade na fasquia dos 94%. Já o aeroporto do Porto é abastecido por pipeline não sofrendo quaisquer constrangimentos no combustível devido à greve dos três sindicatos de camionistas.

O ministro do Ambiente revelou ainda que hoje estiveram 200 operacionais das Forças Armadas e das forças de segurança para responder às necessidades da requisição civil decretada ontem, mas apenas entraram em funcionamento 10 equipas, seis das forças de segurança (PSP e GNR) e quatro das Forças Armadas.

“A requisição civil revelou-se ajustada às nossas preocupações”, garantiu Matos Fernandes, justificando, assim, o número de forças de segurança e de elementos das Forças Armadas que foram mobilizados para fazer face a esta paralisação dos motoristas.

O ministro do Ambiente explicou ainda que é errado estar a falar de oito horas de trabalho por dia, porque, no seu entender, no setor do transporte rodoviário de mercadorias, a legislação estipula 60 horas por semana, indicando uma média máxima acumulada de 48 horas de trabalho por um período consecutivo de quatro semanas.

“Queremos que a greve acabe depressa, mas iremos continuar a definir os serviços mínimos para as forças de segurança e das Forças Armadas a partir de amanhã, concentrando-se ao final do dia o suprimento do serviço que se revelar necessário”, assegurou Matos Fernandes, acrescentando que considera que amanhã será possível mobilizar um número menor de elementos das Forças Armadas e das forças de segurança para colmatar as lacunas provocadas pela greve dos camionistas.

Ler mais
Relacionadas
pedro_pardal_henriques_vice-presidente_SNMMP

Pardal Henriques afirma que houve troca de combustível em descargas feitas por militares

O porta-voz do sindicato dos motoristas de matérias perigosas referiu à Lusa a existência de contaminações em postos de abastecimento em Sesimbra, Sines e Nazaré devido à troca de combustível em tanques.

“Cobardes” e “traidores”. Motoristas revoltam-se com colegas que querem “agradar aos patrões”

“A nossa revolta é porque estes cobardes estão a fazer isto para agradar aos patrões. Isto nem se trata de cumprir os serviços mínimos”, afirmou à agência Lusa um dos motoristas em greve, que se encontrava mais exaltado.
greve_motoristas_matérias_perigosas_2

Carta aberta dos motoristas: “Demarcamo-nos de qualquer ato de vandalismo no decorrer da greve”

O incidente em causa aconteceu no Parque TIR, junto à fronteira espanhola, esta madrugada. O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias condena todos os atos de vandalismo e violência que ocorram durante a greve dos motoristas.

Bombas abastecidas. Postos sem combustível caem 7% desde esta manhã

Requisição civil apresentada pelo Governo já apresenta resultados. Desde o inicio da manhã até às 17h00 desta terça-feira, 34 postos de abastecimento foram abastecidos com gasolina e gasóleo.
Recomendadas

CEO da Ryanair diz que houve um disparo nas reservas do Reino Unido para Portugal, Espanha e Itália

Tendo em conta que estes três países já iniciaram a fase de desconfinamento, as reservas de voos para fins turísticos espelham a despreocupação dos britânicos quanto ao risco de infeção por Covid-19 nos destinos do sul da Europa.

Confederações empresariais escrevem a Centeno para intervir nos seguros de crédito

Algumas confederações já se tinham queixado que as seguradoras de crédito estavam a reduzir as coberturas contratadas pelas empresas. Cinco confederações empresas escrevem agora ao ministro das Finanças a pedir para intervir e garantir seguros para risco de crédito, nomeadamente à exportação para não comprometer a fluidez das trocas comerciais. Produtos químicos e farmacêuticos, alimentar ou a construção, são alguns dos setores que precisam urgentemente de manter ou reforçar estes seguros, para evitar paragem abrupta da atividade.

Portugal quer garantir “corredor aéreo” para turismo britânico

No ano passado, mais de 16 milhões de turistas internacionais chegaram a Portugal, sendo que do total deste valor, 20% eram cidadãos do Reino Unido.
Comentários