Algarve recebe 14 milhões de euros do PRR para melhorar abastecimento de água

As entidades gestoras de redes de abastecimento de água na região do Algarve poderão beneficiar de apoio a fundo perdido.

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) reservou 14 milhões de euros, de um total de 35 milhões, para a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) no âmbito de reforçar a gestão hídrica da região.

De acordo com o comunicado divulgado esta quarta-feira, pelo Ministério do Ambiente e Ação Climática (MAAC), este valor destina-se à melhoria do abastecimento de água no Algarve, mais especificamente às redes que tenham um elevado nível de perdas de água e “cuja substituição permita ganhos de eficiência operacional”.

Este aviso, explica a anota, “resulta da identificação das medidas prioritárias do Plano Regional de Eficiência Hídrica do Algarve”.

De acordo com a pasta gerida por Matos Fernandes, “ao financiar estas obras, assegura-se maior resiliência dos recursos hídricos na região do Algarve, num cenário de alterações climáticas e face ao crescente uso de água na região”.

As entidades gestoras de redes de abastecimento de água na região do Algarve poderão beneficiar de apoio a fundo perdido. “O financiamento será a 100% para a renovação e reabilitação e a melhoria da gestão operacional das redes de abastecimento que assegurem poupanças de água.”

 

Recomendadas

Treze distritos sob aviso amarelo na quinta-feira devido à chuva e trovoadas

Treze distritos de Portugal continental vão estar sob aviso amarelo na quinta-feira devido à previsão de aguaceiros por vezes fortes e trovoadas, anunciou esta quarta-feira o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Investigadores portugueses utilizam resíduos florestais para fazer biocombustíveis

Com a sustentabilidade cada vez mais na ordem do dia, cientistas do Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho procuraram soluções para aproveitar toneladas de resíduos que diariamente aumentam a poluição ambiental.

Católica, BPI e Fundação La Caixa criam observatório dos objetivos sustentáveis da ONU nas empresas portuguesas

Filipe Santos, ‘dean’ da Católica-Lisbon, diz que a ideia passa por “monitorizar a implementação da Agenda 2030 das Nações Unidas através do acompanhamento de um grupo representativo de grandes e médias empresas portuguesas e fazer a publicação de um relatório anual”.
Comentários