Allianz está na dianteira para comprar a Generali

Há quatro propostas para a compra da Generali: A Allianz, a Caravela, a Liberty e a Apollo. Os alemães estão na ‘pole position’.

Cristina Bernardo

A venda da Generali Portugal entrou na segunda fase, das propostas vinculativas.

Há neste momento quatro potenciais compradores a Apollo, que tem a Tranquilidade, a Allianz, a Caravela e a Liberty.

Mas segundo as nossas fontes a proposta da Allianz é a que mais hipóteses tem de vencer o concurso.

Contatada a Allianz Portugal, respondeu “não comentamos este tipo de operações, porque é um assunto que tem de ser tratado pela casa-mãe”.

A Allianz é das companhias que está compradora em Portugal, tal como admitiu em entrevista ao Jornal Económico a sua presidente Teresa Brantuas. “O que pode levar a Allianz a adquirir alguma companhia em Portugal é o facto de querer crescer e porque o grupo Allianz continua a querer investir em Portugal. O nosso objetivo é de expansão”, disse então Teresa Brantuas.

O prazo para a entrega das proposta vinculativas ao intermediário financeiro Barclays está em curso e até ao fim de janeiro haverá um desfecho do concurso e a escolha do vencedor, soube o Jornal Económico.

O processo de venda da Generali chegou assim ao momento crucialdepois da primeira fase das negociações com os interessados, após a recepção das propostas não vinculativas, terem acabado na semana passada.

Em novembro do ano passado foi anunciado que a Generali ia sair de mais de uma dezena de mercados mais maduros onde está presente, tendo posto à venda as subsidiárias em 13 a 15 países, nomeadamente França. Tal como o Jornal Económico avançou em primeira-mão, Portugal foi incorporado na lista de desinvestimentos.

As companhias que serão alienadas e várias que já foram vendidas, valem menos de 1% do resultado operacional do grupo, avança uma notícia recente do jornal italiano 24 Ore. O jornal que noticia a venda da operação em Portugal diz que atualmente, as vendas da Generali na Holanda, Panamá, Colômbia, Liechtenstein e Guatemala já fecharam por um valor total próximo a 350 milhões de euros. Na calha para venda estarão também as operações da Irlanda, Bélgica e a Grécia, bem como da Tunísia, Emirados Árabes Unidos e da ilha de Guernsey. Além disso, esperam-se vendas nalguns países asiáticos, como nas Filipinas.

A companhia de seguros liderada por José Araújo Alves (Chairman) e por Santi Cianci (CEO), apresentava em 2016, uma produção não vida de 130 milhões de euros e no ramo vida 61,9 milhões de euros (-7% face a 2015).

A seguradora Generali, liderada por Santi Cianci, CEO, passou a actuar em Portugal através de uma companhia de direito local para o ramo não vida, em 2015, em vez da sucursal através da qual operava desde 1942. O grupo italiano justificou na altura esta mudança com o reforço da “sua presença em Portugal”. O grupo segurador em Portugal, conta com mais de 350 colaboradores e 1.300 agentes. No ramo de segurador, conta com uma quota de mercado de 3,45%.

O Grupo Generali Portugal está em Portugal desde 1942, mas só em 2015 passou se dá a mudança de registo de Sucursal da Assicurazioni Generali, para sociedade anónima, passando a operar em Portugal como empresa de direito Português. Em 1990 foi criada a Companhia do Ramo Vida em Portugal com a denominação de Generali Vida. E em 1997 compra a companhia de Seguros Vitalício em Portugal.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Relacionadas

Generali vai receber ofertas até ao fim de outubro

A companhia italiana contratou o Barclays para assessorar a venda. Caravela, Zurich, Vitória e Allianz estão na corrida.
Recomendadas

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Cabral dos Santos diz que “o grande problema da Investifino foi ter investido no BCP”

Os empréstimos à Investifino deram perdas à Caixa de 564 milhões, mesmo com uma reestruturação do crédito em 2009. Estas operações foram contratadas entre 2006 e 2007. E tinham como colaterais ações da Cimpor, BCP e Soares da Costa.

Cabral dos Santos revela carta onde Berardo pede à CGD crédito de 350 milhões para comprar ações do BCP

“A carta de Joe Berardo a Carlos Santos Ferreira de 10 de novembro de 2016 evidencia que foi a Fundação Berardo tomou a iniciativa de consultar a Caixa” [para o empréstimo de 350 milhões de euros]. A operação ou era feita com rácio de cobertura por garantias de 105% ou não se fazia. Essa era condição do cliente. A operação fez-se apesar de o parecer do risco ter inicialmente exigido uma cobertura de 120%.
Comentários