Alojamento local e juros baixos responsáveis pela desaceleração dos preços das casas

A Comissão Europeia considera que a moderação de preços permanecerá “lenta” devido às taxas de juro reduzidas e as casas continuaram a ser canalizadas para alojamento local.

Cristina Bernardo

Apesar de se ter registado um aumento da oferta de casas novas e das licenças de construção, o que contribuiu para desacelerar a subida de preços, “é provável que o ritmo de moderação dos preços permaneça lento, à luz de uma conjuntura de taxas de juro baixas e do aumento da utilização de imóveis para alugueres de curta duração”, refere o relatório divulgado pela Comissão Europeia esta terça-feira, na sequência da décima missão de acompanhamento pós-programa, que decorreu entre os dias 14 e 19 de junho passado, em Lisboa.

“Depois de uma forte recuperação que começou em 2015, o ritmo de crescimento dos preços das casas continua elevado”, indica o documento, que assinala que aquele ritmo registou algum abrandamento no início deste ano, por comparação com 2018.

No primeiro trimestre deste ano, o preço das casas registou uma subida de 9,2%, refletindo um ligeiro abrandamento face aos 9,3% observados no trimestre imediatamente anterior e à média anual de 10,3% em 2018.

Também o número de vendas registou um abrandamento, tanto nas regiões mais turísticas, como o Algarve, como nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, onde esta tendência foi ainda mais acentuada.

Esta situação, é referido, “aponta para alguma moderação na procura que estará muito provavelmente relacionada com perspetivas de desaceleração da economia mundial, afetando as expectativas do mercado para o turismo e para a procura de imobiliário por parte de não residentes”, lê-se no relatório.

No que diz respeito às zonas do país onde o mercado imobiliário tem revelado maior dinamismo, o relatório assinala que no Algarve e no Porto “o aumento de preços permaneceu acima da média”, enquanto em Lisboa se verificou o contrário.

Para esta situação contribuiu “a recuperação substancial” no número de edifícios recém-construídos observada na área metropolitana de Lisboa.

O abrandamento no ritmo de crescimento dos preços foi também mais sentido nas transações de casas novas do que nas usadas, mas o relatório salienta que as vendas de construção nova pesam apenas 15% do total das transações e 19% do valor total transacionado.

Ler mais

Recomendadas

Correia de Campos: “Não houve gestão estratégica para a administração pública em 20 anos”

.Numa altura em que está marcada uma greve nacional da função pública para dia 31 contra a proposta de aumentos salariais do Governo, de 0,3%, o presidente do CES defende que “as preocupações salariais são essenciais”, mas lamenta que elas tenham “dominado em excesso as preocupações da gestão da AP”.

Eurogrupo reúne esta segunda-feira com Orçamento português na agenda

O aprofundamento da União Económica e Monetária, a missão intercalar do FMI e a proposta de política económica para os países da moeda única este ano estão entre os outros pontos de agenda do encontro dos ministros das Finanças da zona euro.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Christine Lagarde poderá anunciar o início formal da revisão estratégica do BCE depois da reunião de quinta-feira. A semana ser marcada pelo World Economic Forum em Davos e pela época de resultados em Wall Street.
Comentários