Alphabet com lucros de 11,25 mil milhões de dólares num terceiro trimestre em que receitas voltaram a crescer

Vindos do primeiro trimestre com uma diminuição de receitas na história da companhia, a empresa-mãe da Google volta agora em força, em parte empurrada pelas verbas associadas à publicidade.

A Alphabet, empresa-mãe da Google, superou as expectativas dos analistas ao registar 46,17 mil milhões de dólares (39,55 mil milhões de euros) de receitas no terceiro trimestre de 2020, segundo o relatório divulgado pela empresa esta quinta-feira. Daqui resultaram 11,25 mil milhões de dólares (9,64 mil milhões de euros) de lucro, que significam 16,40 dólares (14 euros) de dividendo por título.

Depois do primeiro trimestre de sempre com crescimento negativo na sua receita, a gigante tecnológica recuperou em força, muito devido ao fluxo de publicidade encaixado. Os 37,1 mil milhões de dólares (31,8 mil milhões de euros) de receita neste segmento representam um crescimento em relação aos 33,8 mil milhões de dólares (28,9 mil milhões de euros) do período homólogo.

“Tivemos um trimestre forte, consistente com o ambiente geral online”, disse Sundar Pichai, o presidente executivo da empresa. “É também um reflexo dos profundos investimentos que fizemos em inteligência artificial e outras tecnologias”, acrescentou.

Sundar Pichai anunciou ainda que, a partir do próximo trimestre, a operação de cloud da Google passará a ser reportada independentemente. “Com esta partição, poderão ver informações sobre a escala do nosso investimento, que irá contribuir para avaliar o progresso que fizemos no nosso caminho de criar valor sustentável”, explicou.

Recomendadas

Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

CIO da Johnson & Johnson: “Ecossistema tecnológico ajudou a repensar a ciência”

As novas tecnologias aceleraram a maneira como se descobrem e produzem novos medicamentos. Combinar todos os dados disponiveis, aliá-los à ciência e colocá-los em prático são os desafios apontados ao setor farmcêutico durante os próximos anos.

AHRESP afirma que Governo “comprometeu-se a anunciar medidas” em função das propostas efetuadas

Do lado do Governo, a associação sublinha que o ministro da Economia “comprometeu-se a anunciar publicamente muito em breve, com a presença dos parceiros sociais, as medidas que o governo vier a decidir em função das propostas apresentadas pelas associações presentes nesta reunião”.
Comentários