Altice Europe elogia desempenho da operação portuguesa e reitera descontentamento com atuação da Anacom no 5G

“Portugal teve um ano muito bom, tanto nos indicadores-chave como em termos financeiros”, afirmou Dennis Okhuijsen, o conselheiro da administração do grupo liderado por Patrick Drahi em conversa com analistas sobre as contas reveladas esta terça-feira.

Patrick Drahi, fundador e principal acionista do grupo Altice, acompanhado por Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal | Cristina Bernardo

A Altice Europe, grupo em que se insere a Altice Portugal, manifestou esta terça-feira satisfação com o desempenho da operação portuguesa em 2020, apesar do contexto pandémico e do clima de tensão com o regulador sectorial. Considerando ter sido dada uma prova de resiliência no ano pandémico, o grupo vê hoje mais “potencial de crescimento” da Altice Portugal.

“Portugal teve um ano muito bom, tanto nos indicadores-chave como em termos financeiros”, afirmou Dennis Okhuijsen, conselheiro da administração do grupo liderado por Patrick Drahi e antigo administrador financeiro da Altice Europe, numa conferência telefónica com analistas de mercado sobre as contas de 2020. Os resultados anuais foram divulgados esta terça-feira de manhã, com a Altice Portugal a fechar o ano com um crescimento de receitas.

Questionado pelos analistas sobre perspetivas futuras da Altice Europe, Dennis Okhuijsen afirmou que, apesar de o grupo sentir que o potencial da operação francesa “era maior” há cerca de dois anos, hoje, tendo em conta que “a maior parte dos ativos continuam em Portugal”, a capacidade da operação portuguesa evidencia-se mais.

“No ecossistema europeu de telecomunicações, Portugal esteve muito bem no último ano”, reforçou o conselheiro de Patrick Drahi, frisando que apesar da diminuição das receitas de roaming, a Altice Portugal “continuou a crescer em todos os segmentos”.

O principal conselheiro da Altice Europe e o atual administrador financeiro, Malo Corbin, que acompanhou Okhuijsen na conversa com analistas, foram repetidamente questionados sobre o leilão de frequências em Portugal, que decorre há 53 dias e incide também sobre as faixas relevantes à quinta geração da rede móvel (5G). Ambos recusaram entrar em detalhar eventuais avanços da dona da Meo, uma vez que o leilão ainda decorre.

Contudo, Okhuijsen reiterou o posicionamento já assumido pelo grupo, em novembro de 2020. “Portugal assumiu a liderança no rollout [lançamento]  de novas tecnologias, na Europa, sobretudo no 4G e na rede fibra de ótica. Nessa altura havia um bom enquadramento regulatório e competição entre players sofisticados. O regulador está a tentar tomar medidas contra esse enquadramento, que beneficiou os players e os consumidores, em Portugal. Não estamos mesmo nada contentes com essas medidas [decorrentes do leilão], mas futuramente anunciaremos como vamos prosseguir [em Portugal]”, concluiu.

Sem entrar em pormenores específicos sobre cada um dos mercados, Okhuijsen garantiu, ainda, aos analistas que a estratégia de diversificação de portefólio da Altice Europe vai continuar.

Ler mais
Relacionadas

Receitas da Altice Portugal crescem 0,5% para 2,12 mil milhões de euros em 2020

Altice Portugal diz que o controlo dos custos e o “contínuo aumento da base de clientes e de serviços” em ano pandémico permitiu aumentar os proveitos. Na mensagem que acompanha a divulgação dos números, o CEO da Altice volta a acusar a Anacom de criar um ambiente “hostil”.
Recomendadas

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.
Comentários