Altri e F. Ramada impulsionam ganhos do PSI 20

“O PSI 20 está de regresso aos ganhos, depois de as últimas duas sessões terem sido marcadas por fortes quedas”, afirma Gualter Pacheco, trader da Gobulling – Banco Carregosa.

A bolsa portuguesa negoceia esta segunda-feira, 26 de março, com sentimento positivo, numa altura em que os índices europeus transacionam em alta. A meio da manhã, o principal índice português, PSI 20, aprecia 0,26%, para 5.356,30 pontos, impulsionado pelas valorizações da Altri e da F. Ramada.

“O PSI 20 está de regresso aos ganhos, depois de as últimas duas sessões terem sido marcadas por fortes quedas”, afirma Gualter Pacheco, trader da Gobulling – Banco Carregosa.

A Altri é a cotada que mais sobe, ao valorizar 1,91% para 5,340 euros. O trader da Gobulling nota que as ações da empresa têm vindo a valorizar nas últimas sessões, “apesar de o mercado ter estado fraco”. Também a papeleira Navigator está em alta, com uma subida de 1,145 para 4,794 euros, numa altura em que se regista uma subida do preço da pasta de papel.

A F. Ramada está também a somar 1,535 para 13,300 euros. A empresa de aços, armazenagem e ativos florestais, liderada por João Borges de Oliveira, completa esta segunda-feira uma semana desde a sua entrada no principal índice nacional.

No setor da energia, a EDP ganha 0,58% para 2,954 euros, a EDP Renováveis valoriza 0,46% para 7,665 euros e a REN aprecia 0,33% para 2,460 euros. No setor do retalho, a Sonae avança 0,09% para 1,120 euros, enquanto no setor da banca, o BCP soma 0,29% para 0,276 euros. Em alta estão também a NOS (0,34%), a Sonae Capital (0,54%), os CTT (0,32%) e a Corticeira Amorim (0,79%).

Em terreno negativo destaca-se a Galp Energia, que perde 0,56% para 15,065 euros. A pressionar a cotada está a queda do preço do petróleo. O Brent desvaloriza 0,56% para os 69,42 dólares por barril e o crude WTI perde 0,79% para os 65,36 dólares.

A cair estão também a Jerónimo Martins (-0,07%), a Mota-Engil (-0,95%) e a Semapa (-0,63%).

Nas restantes praças europeias, predomina o sentimento positivo. O índice alemão DAX soma 0,59%, o espanhol IBEX 35 valoriza 0,22%, o francês CAC 40 sobe 0,44%, o britânico FTSE 100 avança 0,42% e o holandês AEX aprecia 039%. A contrariar a tendência, o italiano FTSE MIB perde ligeiramente 0,03%.

“As bolsas europeias negoceiam todas em alta, à exceção da bolsa de Milão, beneficiadas pela subida dos futuros norte-americanos”, explica Gualter Pacheco. Os futuros do S&P 500 somam 1,19%, depois de terem fechado a pior semana bolsista desde 2016. Os investidores mantém-se receosos face às consequências de uma possível guerra comercial entre as duas maiores economias mundiais, os Estados Unidos e a China.

Num inquérito mensal elaborado pela Merrill Lynch Bank of America, 30% dos 176 inquiridos consideraram que o principal risco para os mercados acionistas é o espetro de uma guerra comercial à escala mundial.

No mercado cambial, o euro valoriza 0,19%, para 1,237 dólares e a libra avança 0,36%, para 1,418 dólares.

 

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha semana no verde com perspetiva de estímulo à economia a sobrepor-se à fraca criação de emprego

Apesar dos fracos números da criação de emprego em novembro, os mercados animaram-se com as declarações de Nancy Pelosi sobre um possível acordo bipartidário para um pacote de estímulos à economia americana, isto depois do líder do Senado ter admitido o mesmo na quinta-feira.

Bolsa de Lisboa fecha em alta numa sessão animada em toda a Europa

Galp dispara mais de 5% com subida do preço do petróleo, após o anúncio de um acordo da OPEP+ em suavizar os aumentos previstos de produção de crude. O BCP fechou em alta de mais de 2% e já está acima dos 12 cêntimos.

Vencedor de concurso da Católica Porto Investment Club alerta que CBDC são “questão de segurança nacional”

Nuno Loureiro, vencedor do concurso Champion Chip 2020, organizado pela Católica Porto Investment Club, alerta que a infraestrutura tecnológica que suporta moedas digitais emitidas por um banco central (CBDC) poderão ser alvo de ataques cibernéticos de outros Estados.
Comentários