Alunos mais pobres vão para politécnicos e cursos com notas mais baixas

Segundo um estudo da Fundação Belmiro de Azevedo, nas universidades há 28,1% de bolseiros enquanto nos politécnicos existem 37,4%.

A escolha do curso superior evidencia as desigualdades sociais em Portugal. A expansão do ensino universitário não conseguiu diminuir as diferenças de acesso entre estudantes com níveis socioeconómicos distintos. A conclusão é do estudo “A Equidade no Acesso ao Ensino Superior” do think thank da Fundação Belmiro de Azevedo, divulgado esta quarta-feira pelo “Jornal de Notícias” e pelo “Público”.

A análise do Edulog mostrou que os alunos das classes mais favorecidas frequentam cursos como Medicina, Direito e Engenharia – que, tendencialmente, exigem notas mais elevadas –, enquanto os mais pobres inscrevem-se sobretudo nos institutos politécnicos.

A escolha está também relacionada com as habilitações literárias dos pais. Por exemplo, mais de 70% dos estudantes de Medicina são filhos de pais que concluíram o ensino superior. Por outro lado, em Enfermagem, a maioria dos pais desses alunos tem o secundário ou menos.

Segundo o estudo, nas universidades há 28,1% de bolseiros enquanto nos politécnicos existem 37,4%. “Dito de um modo um pouco brutal, as classes mais baixas só podem tirar vantagem da expansão [do sistema de ensino] quando as necessidades das classes mais altas estiverem satisfeitas”, afirma Alberto Amaral, coordenador científico do Edulog, ao “Público”.

Recomendadas

Está a pensar fazer obras em casa? Saiba quais as autorizações necessárias

Realizar obras em casa já não exige as formalidades obrigatórias de outros tempos, mas continuam a existir alguns casos em que são necessárias algumas autorizações, como por exemplo fechar uma varanda ou derrubar as paredes interiores do prédio.

Crédito Agrícola é o primeiro banco português a disponibilizar o Apple Pay

O banco garante que a utilização desta funcionalidade não tem qualquer custo para o utilizador e a aceitação de pagamentos através do Apple Pay não representa custos adicionais para o comerciante.

Taxas Euribor renovam mínimos de sempre a três e seis meses e sobem a 12 meses

A taxa Euribor a seis meses desceu hoje para -0,350%, novo mínimo de sempre e menos 0,007 pontos que na sessão anterior.
Comentários