Alunos mais pobres vão para politécnicos e cursos com notas mais baixas

Segundo um estudo da Fundação Belmiro de Azevedo, nas universidades há 28,1% de bolseiros enquanto nos politécnicos existem 37,4%.

A escolha do curso superior evidencia as desigualdades sociais em Portugal. A expansão do ensino universitário não conseguiu diminuir as diferenças de acesso entre estudantes com níveis socioeconómicos distintos. A conclusão é do estudo “A Equidade no Acesso ao Ensino Superior” do think thank da Fundação Belmiro de Azevedo, divulgado esta quarta-feira pelo “Jornal de Notícias” e pelo “Público”.

A análise do Edulog mostrou que os alunos das classes mais favorecidas frequentam cursos como Medicina, Direito e Engenharia – que, tendencialmente, exigem notas mais elevadas –, enquanto os mais pobres inscrevem-se sobretudo nos institutos politécnicos.

A escolha está também relacionada com as habilitações literárias dos pais. Por exemplo, mais de 70% dos estudantes de Medicina são filhos de pais que concluíram o ensino superior. Por outro lado, em Enfermagem, a maioria dos pais desses alunos tem o secundário ou menos.

Segundo o estudo, nas universidades há 28,1% de bolseiros enquanto nos politécnicos existem 37,4%. “Dito de um modo um pouco brutal, as classes mais baixas só podem tirar vantagem da expansão [do sistema de ensino] quando as necessidades das classes mais altas estiverem satisfeitas”, afirma Alberto Amaral, coordenador científico do Edulog, ao “Público”.

Recomendadas

Baixa de Lisboa, Av. Liberdade e Almirante Reis sem novas licenças de alojamento local

BE e PS chegaram a acordo para o Regulamento do Alojamento Local de Lisboa, que deverá passar a incluir o eixo Baixa/Avenida da Liberdade/Avenida Almirante Reis nas zonas de contenção, assegurando a interdição de novas licenças.

Taxas de juro baixas: saiba como renegociar o spread do crédito à habitação

Fale com o seu gestor de conta para baixar o spread do seu crédito à habitação. Se o seu banco não aceitar, haverá outra instituição bancária que gostará de receber o seu crédito à habitação. Conheça estas e outras dicas de João Raposo, economista do Grupo Reorganiza.

Spread do crédito à habitação em mínimos de 10 anos. Chegou a altura de renegociar com o banco

A descida relevante do crédito à habitação significa que este é o momento ideal para os consumidores com créditos à habitação reavaliarem a sua situação financeira, especialmente se contraíram o crédito numa altura em que o spread estava elevado.
Comentários